Gestação precoce: um atraso causado por uma pressa

22 agosto 2013


Às vezes parece que quanto mais o tempo passa, mais os casos de gravidez na adolescência aumentam. Apesar da existência de anti-concepcionais e camisinhas, já vi amigas suspeitando de gravidez, e até mesmo engravidando. A maioria mais nova que eu, em seus 16 anos já estão preocupadas em ter uma família com seus namorados, sem se dar conta de que o namoro pode terminar, mas o filho não poderá ser abandonado. Elas não se preocupam com as consequências que o seu "grande sonho" pode ser sobre suas vidas, e não se preocupam com o que podem estar perdendo. É muito importante discorrer sobre o assunto, e é uma pena ter a consciência de que a maioria das pessoas que realmente precisam ser mais realistas, não estão aqui lendo sobre isso.
Dos 11 aos 18 anos, isso não é idade para se pensar em ter filhos. Até mesmo aos 21 anos considera-se cedo demais, mesmo não sendo mais a fase da adolescência. Esta é a idade de estudar, trabalhar, fazer os cursos que achar necessário para investir na melhor carreira. Para um dia, ganhar um pouco mais por fazer o que gosta, para um dia, ter condições financeiras de, não só ser independente e cuidar de si, como também, cuidar de sua família. Uma pessoa sempre terá uma segunda chance para ter um filho, pelo menos até a menopausa. E uma carreira, leva tempo para chegar ao sucesso, demora anos para ganhar um salário mais alto, acima de 1500 reais. Um filho antes da hora, pode atrasar mais ainda. Pode até impossibilitá-lo. Seu namorado, pode te abandonar quando chegar a tal "hora da verdade". Você gastará mais dinheiro com o seu filho, do que consigo mesma. Fraldas, mamadeiras, roupinhas. Seu tempo livre passará a ser ocupado com consultas médicas. Seu emprego, poderá ser perdido, pois muitos infelizmente tratam a gravidez, como invalidez. Você pode não ter tempo para fazer os cursos que precisa. Você pode não conseguir se concentrar nos estudos, se é que você se importa com eles. Dependendo das condições financeiras de sua família, sem o seu emprego, você não poderá mais fazer a faculdade, impossibilitando assim, um emprego cujo salário seja o suficiente para se sustentar e pagar as contas. E com um salário mínimo, ficará ainda mais difícil sustentar a você e ao seu filho. Com a ajuda de seu namorado, se vier, as coisas podem até ficar melhores, mas sem dúvidas, não chegam tão perto de serem boas. Depois de uns anos você irá olhar para trás, e enxergar o seu erro. Será tarde demais.
Aos 17 anos, ninguém é madura demais para se ter um filho, e dar a ele o que ele precisa. Não estou falando de dinheiro, embora isso também seja quase impossível, mas sim, de educação. Ele precisará de inúmeras lições de moral de uma mãe, que até um tempo atrás, cometia os mesmos erros que ele, e não se sentia errada. Ele precisará de uma pessoa que possa preparar ele para a vida, mas os pais dele, também não estão preparados, por mais que ainda não saibam disso. Precisará que seus pais o ajudam a resolver problemas, que nem eles sabem resolver, mas que um adulto de verdade, saberia. Ela precisará de responsabilidade o suficiente para correr atrás de muita burocracia. E uns anos depois, aos 17 anos, a filha pode estar querendo cometer o mesmo erro que a mãe, e na ausência de um bom exemplo, terá seu futuro condenado também. Uma família que poderia ter vários advogados, administradores, engenheiros, terá vários vendedores de loja, operadores de super mercado, e atendentes de balcão. Que precisarão de ajuda extra para sustentar a si, e a própria família. 
Por causa causa do quesito maturidade, muitas decidem colocar o filho para adoção. O que também é errado. Agora elas têm a consciência de que não sabem realmente cuidar de sua própria criança, decidindo então, que um outro adulto, poderá dar para sua filha ou filho, um futuro melhor do que ela daria. O que não deixa de ser verdade, mas depois de alguns anos, o filho pode acabar guardando rancor de sua mãe, que na opinião dele, o abandonou quando ele apenas um corpo frágil e delicado. Pode ser difícil para ele entender, que a mãe não fez o que fez por mal, e sim para o bem dele, e para o próprio.Ela perderá todo o crescimento do seu filho, as lições que ele aprendeu, as situações que viveu, os problemas que resolveu. Seu próprio filho, será um desconhecido para ela. 
Não conheço nenhum caso, cuja adolescente optou por aborto, até porque no Brasil, o mesmo é proibido. Mesmo assim é importante dizer. Existem muitas clínicas de aborto clandestinas, mas elas não são confiáveis, pois como o aborto é proibido, os médicos não tiveram a oportunidade de se qualificar para o cargo exercido. E por consequência, a garota pode correr risco de sofrer graves sequelas, ou até mesmo, ser levada à morte. Mesmo se o médico for qualificado, o aborto continua possuindo os mesmos riscos, apesar de serem um pouco menores.
Por estes motivos, é necessário que todas as garotas, mantenham a mente mais aberta quando o assunto for sexo e relacionamentos. Você jamais deve fazer tudo o que o seu namorado quiser que você faça, se ele exigir que você engravide, ameaçando te abandonar, opte por deixá-lo ir. Se ele te amasse mesmo, não te colocaria sob esse tipo de pressão, sabendo que o ato mudaria toda a sua vida. Mesmo se ele prometer ajuda e apoio, não é uma boa ideia se relacionar uma pessoa que te obriga a fazer o que ela quiser o tempo inteiro. Por isso, antes de ouvir suas amigas, antes de ouvir seu namorado, ouça seus pais. Ouça o que eles têm a te dizer, porque eles provavelmente serão os únicos a te dar o conselho certo. Se todas essas garotas que engravidaram, aceitassem o conselho que seus pais as dão em determinadas situações, a frequência dos casos de gestação precoce diminuiria impressionantemente, mesmo não sendo reduzidos a zero, pois alguns pais realmente não se importam com a vida de seus filhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!