Homossexualidade: quando o amor vira um tabu

25 agosto 2013


Qual é a importância de argumentar contra a homofobia, afinal? Qualquer hipócrita pode sentar em uma cadeira em frente a um monitor, e escrever um texto enorme dizendo o por quê dele ser contra a homofobia, enquanto compartilha uma piada no Facebook chamando uma determinado ídolo de viado, e dando risada, achando a coisa mais normal e engraçada do mundo. Qualquer autor de textos como este, pode já ter chamado alguém de viado, por seu nível de raiva dessa pessoa ter ido além dos limites, ou por graça mesmo. Eu mesma assumo que já pronunciei a palavra "viado" no intuito de ofender quem já havia me ofendido, tentando agir como se eu não tivesse sido afetada por suas palavras vazias e inúteis. Eu também já chamei os ídolos que se tornaram modinha adolescente de viados. Já ri de piadas contra eles. Mas isso não quer dizer que eu ainda o faça, e muito menos que eu me orgulhe de ter feito isso, pelo contrário, sinto vergonha, isso sim. Apenas acredito hoje em dia, que uma pessoa tenha o direito de mudar e aprender com a vida, sem repetir os erros que cometeu no passado. As pessoas vão crescendo, e vão mudando sua opinião a respeito de determinados assuntos, e isso é natural, não quer dizer que sejam falsas ou hipócritas, só significa que elas evoluíram até certo ponto. 
A homofobia é crime no Brasil, mas infelizmente não é penalizada. Eu já soube de muitos casos em que os gays apanharam feio por ódio gratuito à sua homossexualidade, mas eu nunca soube de nenhum caso onde o criminoso pagou pelo seu feito. Ninguém foi processado, ninguém foi preso, nem fez trabalho comunitário. O tribunal não fôra frequentado, e isso não é justo! Eles não fizeram nada a não ser gostar um do outro! Tenho alguns amigos gays, e posso jurar-lhes que eles são bem melhores do que muita gente, eles são vaidosos sim, afinal, é meio difícil achar um gay que não seja. Mas esses meus amigos são humildes, e não ficam se vangloriando por aí, e eu admiro muito isso neles, assim como admiro o mesmo em muitas outras pessoas. Também conheci uma colega lésbica, no meu primeiro emprego. Quando ela me contou pela primeira vez, disse que era piada, e pediu pra eu não me importar com as "idiotices" dela. Depois de um tempo, contou de novo, e perguntou se eu tinha preconceito. Eu disse que não. E realmente, quem se importa se ela é lésbica ou não? Ela não tentava nada como você pode estar pensando, e era uma das pessoas mais trabalhadoras daquele mercado. Eu quase só andava com ela, porque eu gostava do jeito dela, era trabalhadora, sorridente, e divertida. Quando eu perguntei se ela sofria muito preconceito, me surpreendi com a resposta. Disse ela que não, a parte mais difícil foi a aceitação dos pais, que a fez sofrer muito, mas que agora já estava resolvido e tudo estava bem, a paz em família fôra reconstituída. Ninguém no trabalho tinha preconceito com a opção sexual dela, isso era fato, todos eram muito legais uns com os outros, e isso é uma coisa muito rara de se encontrar, até hoje sinto saudades daquele emprego. Quem dera se todos os lugares do mundo fossem assim.
As pessoas são contra a homossexualidade porque acham estranho ver os gays andando de mãos dadas na rua, acham estranho ver seus beijos. Sim, eu sei, começa a ser nojento quando o nível passa de beijos a fortes amassos, mas isso é válido pra todo mundo. Ninguém merece ver um casal na rua (seja hétero, homossexual ou bi), se agarrando tanto, a ponto de te fazer imaginá-los tirando a roupa um do outro. Mas um simples beijo ou abraço é estranho por que? Eles estão te atrapalhando de algum modo? Não. Se quando os héteros namoram na rua, andam de mãos dadas e demonstram seu amor um pelo outro não é considerado nenhum incômodo, por que os gays têm que ser um problema? Não sou romântica, e estou completamente fechada para o amor, mas verdade seja dita: eles são como qualquer outra pessoa, que se amam e sonham com o futuro a dois. O amor que uma lésbica sente pela outra, é o mesmo que uma garota sente por seu namorado. O amor que um gay sente pelo outro, é o mesmo que um garoto sente por sua namorada. Não faz diferença... pra você. Não muda a sua vida em nada, mas infelizmente muda a deles. Por terem que aturar diariamente a ignorância da sociedade, e pessoas como Marco Feliciano, que ainda não compreenderam a seguinte frase: "Ninguém é igual a ninguém, ninguém é superior a ninguém. Nós somos todos iguais, embora diferentes um do outro." 
Sei que minha opinião a respeito não irá mudar a sua, mas é uma pena ser obrigada a aceitar que um mundo sem preconceitos é apenas mais um sonho impossível. Deixem os homossexuais e bissexuais viverem a vida deles, porque eles não estão te impedindo de viver a sua! E pare de achar graça em piadinhas contra eles, porque se fosse contra você, elas não seriam engraçadas. Atualmente, eu sei bem como é ser motivo de piada por um motivo o qual eu não posso mudar: ter uma personalidade, e uma aparência. Por isso faço cara feia quando fazem piadas contra uma pessoa, parece até que elas estavam sendo feitas contra mim. Se eu ver que a pessoa não está gostando, eu não vou rir. Não tem graça, não foi feliz, e ponto final. Algumas pessoas na internet já acharam que eu fosse lésbica por não achar graça em piadas homofóbicas, mas não acho que eu preciso mudar minha opção sexual para ser contra esse tipo de coisa. Isso é uma questão de caráter, nada mais e nada menos. Não estou fazendo uso de falso-moralismo, como eu disse no começo, uma pessoa tem o direito de mudar suas atitudes e de fazer o que acha certo. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!