A obsessão dos fãs

08 setembro 2013


Em setembro voltam os Rebeldes, aquela novelinha que virou moda na minha infância e criou vários mini-robôs. Não estou aqui para falar da novela, mas sim, do comportamento de seus fãs, não apenas dessa novela, mas todos os fãs que exageram demais em sua obsessão e acabam esquecendo de uma coisa: sua própria personalidade. Tomo a novela como apenas um exemplo, para mostrar a todos como é ridículo imitar uma pessoa usando a admiração por ela como uma desculpa esfarrapada. Na época em que RBD foi lançada, eu estava na terceira ou na quarta série se não me engano, e foi uma loucura total! Todos só falavam nisso, era Mia pra cá, Roberta pra lá... eu tinha vontade de mandar todo mundo pro inferno! Sinto muito, mas é a verdade. Não só apenas virou o único assunto que a escola falava, mas também, uma obsessão sem fim pra se vestirem e agirem como seu personagem favorito, na minha escola todos queriam comprar uniformes do Elite Way, eles usavam mais o uniforme da novela do que da própria escola onde estudavam. Quem não tinha, comprava aquelas carteirinhas imitando o RG dos personagens, ou comprava pulseiras, álbum de figurinhas... não importa o que, a impressão que dava é que eles morreriam se não conseguissem um único objeto deles! Tentavam imitar o comportamento da Mia, da Lupita, ou da Roberta, a mais rebelde do grupo, pela qual muitas criancinhas eram apaixonadas por sua personalidade e estilo. Até porque é muito lindo quebrar regras e ser expulsa da escola... vou até dar uma estrelinha dourada.
Eu até evitava assistir a novela, enquanto era modinha eu não assisti nenhuma vez, acreditem ou não, o assunto não acabava mais e isso me deixava enjoada, por isso eu me recusava a assistir, só pra variar, tinha que ter sempre uma Amanda pra contrariar e ser a diferente da turma. Sei que soa imaturo, mas eu tinha apenas 8 anos. Depois de um tempo, a novelinha foi reprisada no canal Boomerang, eu estudava de manhã, estava na sétima série, e dava pra assistir antes de sair, mas não pense que eu acordava mais cedo só pra assistir, se por acaso eu ligasse a TV, e tivesse passando a novelinha, eu assistia, e não achava tão ruim. O que me irritava mesmo era a repetitividade do assunto, e a mania que aquelas crianças tinham de tentar ser quem elas não eram, eu não suportava. Ficavam preocupadas demais com sua imagem de fã, que esqueciam de mostrar quem realmente eram. Hoje em dia aquelas "criancinhas" cresceram, muitas delas estudam de noite, no mesmo turno e escola que eu, e como de noite só tem ensino médio, é praticamente impossível ver aquela alienação novamente. Afinal, eles já estão grandinhos e passaram da idade de imitar famosinhos como estes. Mas e as crianças dos turnos da manhã e tarde? Afinal, algumas eram apenas um feto quando a novela foi apresentada ao público pela primeira vez, será que essas crianças vão fazer igual a suas irmãs mais velhas e se espelhar exageradamente nos personagens da novela? Nem todas as escolas tem alunos assim, mas infelizmente a que eu estudava era cheia de modinhas como essa, e todos se desesperavam pra entrar nos padrões. Minha irmã felizmente já era nascida na época, e tinha o mesmo ódio por essa obsessão que eu.

Acho que tudo bem ser loucamente fã de uma banda, afinal, quem sou eu pra reclamar de obsessão? Eu mesma sou louca pela banda AC/DC, mas nunca tentei agir como eles, até porque eu não nasci pra fugir de mim mesma, sempre fui a diferente (mesmo quando eu não queria) e sempre vou ser. Voltando ao assunto, é normal admirar seu ídolo, a personalidade e comportamento muitas vezes encanta e parece ser melhor do que realmente é, mas passa muito dos limites quando você começa a tentar imitá-lo. O fã começa a se preocupar tanto com a imagem de "fã número um", que começa a esquecer quem ele é, pois ele passa tempo demais pesquisando, lendo e vendo clipes de seu ídolo. E haja paciência se um dia o chamarem de poser, pois hoje em dia se você não souber o RG da bisavó do famoso você já não é tão fã assim, e o fã lendo isso, vai levar a sério e pesquisar o RG da velha apenas para pagar de sabido e informado, coisa que ele não é. Sobre o próprio ídolo pode até ser, mas qual sua opinião sobre outros assuntos? Ele nem para pra pensar em estudos, carreira e outras coisas, pois a sua mente está muito ocupada e focada em apenas uma coisa, nesse caso, os Rebeldes. A preocupação para ser uma "Roberta Pardo" é extrema, a garota que já era estressadinha se identifica em um ser diferente, e passa a desejar ser mais parecido ainda com ela, imitando roupa, modo de falar, e comportamentos em geral. As mais vaidosas se grudam na Mia, e enquanto se olham no espelho, veem que seu cabelo está parecendo palha seca do curral, e repetem a frase "ai... como é difícil ser eu". O que é ridículo, isso não é uma coisa delas, é do personagem. Alguns não são parecidos com ninguém, e pregam a si mesmos a obrigação de ser igual ao que ele mais admirar, a menina básica começa a se arrumar mais, e a "educadinha" pronuncia seu primeiro palavrão, todos fogem de si, de sua personalidade, a autenticidade acaba por ser extinta e a coisa mais importante já não é ser ele mesmo, e sim, ser o seu ídolo, ou, o maior fã dele. Isso atrapalha nos estudos, e até mesmo na vida social, a festinha do amigo é trocada por uma tarde em frente ao computador, vendo o mais novo clipe da Anahi. E depois disso, já pesquisa os bastidores e informações adicionais sobre o clipe, ela cria um blog sobre a famosa, só sabe falar nisso, o tempo passa, e o fã acaba se perdendo em si. Afinal, ele passou tempo demais imitando seu ídolo, e tentando passar determinada imagem, que acabou esquecendo quem ele é, ficando sem saber como falar de si mesmo e gerando outros problemas. O indivíduo se torna confuso, isolado, e corre risco de chegar a depressão, parece patético dizer, mas é verdade, e não estou nem colocando a culpa no ídolo, pois não foi ele que pediu para que todos agissem como ele, e sim, seus fãs que se obrigaram a imitá-lo por muito tempo. E depois desses problemas todos, valeu a pena ser o fã número um do seu ídolo? Provavelmente não...

2 comentários:

  1. ótimo post. Também acho que idolatria excessiva é prejudicial, para ser fã basta gostar do trabalho do seu ídolo, não precisa tentar ser igual a ele.

    ResponderExcluir
  2. @Yuri Vitor Padilha Guedes Brigada pelo seu comentário, realmente, as pessoas exageram demais com o fanatismo.

    ResponderExcluir

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!