Chuva de Novembro

16 setembro 2013


Eram apenas bons amigos, segundo o que tentavam provar ao mundo, eles ficavam às vezes, e dava pra sentir um clima diferente quando andavam juntos, um clima mais forte do que de apenas amizade, todo mundo sabia que eles se amavam, menos eles mesmos. Ela gostava dele, do seu sorriso espontâneo, de seu cabelo escorrido de japonês, e de sua maneira imprevisível de viver, mas não assumia, se irritava fácil com ele, mas era de se esperar, ela é assim mesmo. A verdade é que ela já havia se decepcionado demais, e tudo o que diziam sobre o amor, na opinião dela, soava falso, piegas, ilusório, mas no fundo ela queria uma pessoa pra dizer que era só dela, na verdade, uma pessoa bem específica. Ele. O garoto a amava até demais, mas também não assumia, pois ela o confundia demais, num dia estavam beijando-se, no outro, discutindo de novo, ela era complicada demais para qualquer tipo de relacionamento, o que ele tinha visto nela afinal? Nem sabia o que gostava mais, se era sua personalidade forte, que não levava desaforo para casa, ou se era o seu jeito divertido, que conseguia achar graça nas coisas mais corriqueiras da vida sem ofender ou magoar ninguém. Na verdade, ambos já sabiam o que um sentia pelo outro, apenas não tinham certeza se era isso mesmo ou se era apenas outra ilusão, a ilusão que faltava para caírem em outro poço sem fundo. Stalkear um ao outro já se tornara uma rotina diária, vistoriar os compartilhamentos imaginando para quem era, e esperar mensagem no celular também. Ambos sonhavam em receber um SMS confessando o amor, mas tudo o que recebiam era um "vai na aula hoje?", e mesmo isso já era o suficiente para gerar mil expetativas surreais. Toda noite ele planejava o dia o qual ele a pediria em namoro, como faria, o que diria, e onde seria. Toda noite ela sonhava com esse dia, e lembrava do primeiro beijo, que viera de supetão após uma discussão em plena praça pública, praticamente deserta, então eles dormiam para esquecer, e sonhavam um com o outro, até que um dia o garoto se cansa de apenas planejar e evaporar suas ideias.
Novembro, pleno sábado, o tempo nublado enfeitava o showzinho de Rock que haveria ao ar livre, apresentando a mais nova banda cover de Guns and Roses, cujo nome não me lembro muito bem, só sei que eram amigos de Gabriel. 3 da tarde, e Manoela recebe um SMS dele em seu celular: "Vai no show hoje?", e começa a digitar "Mas com certeza ;)". Ela então corre para se arrumar freneticamente, perfumando-se e maquiando-se para divertir-se naquela praça, ela coloca a regata de sua banda favorita, e sente-se agradecida por ter herdado o gosto musical de sua família. Ela manda uma mensagem para suas amigas dizendo que já estava de saída, e todas vão juntas para o dia o qual Manoela jamais se esqueceria. O garoto, nervoso, passa seu melhor perfume e coloca sua camiseta dos Guns N' Roses, seu all star preto, ansioso para a loucura que estava prestes a fazer, e dizia para si mesmo: "É hoje, espero que dê certo".
E recebe uma mensagem em seu celular: "Hey, ela já está na praça, vad#$", era seu amigo. E apressado, ele decidiu sair, dizendo para sua mãe que já estava indo.
Ao chegar lá, depara-se com a garota mais linda do mundo, como sempre, rindo com suas amigas e fazendo piadas ao som de Paradise City, elas dizem algo para ela, e a garota olha para Gabriel, que vinha em sua direção, unindo-se à eterna zoeira que ocorria sempre em sua roda de amigos, a banda vai tocando conforme as horas passam, até que Gabriel se afasta do grupo e diz para Manoela: "Espera um pouco, tem uma coisa importante que eu preciso fazer por uma idiota", ela diz que tudo bem, e começa a imaginar para quem é, completamente enciumada. Ele caminha em direção ao palco, e cochicha algo para seu amigo, que responde: "achei que você fosse esquecer a ideia, mas ok, boa sorte, cara", ele pega o microfone e começa a dizer: "Tem uma coisa que eu preciso dizer, prometo que não vai demorar. Esse ano, eu conheci uma garota diferente de todas as outras, ela insiste em ser diferente dos outros, e realmente é, está sempre contrariando a opinião alheia, é autêntica e sincera. A personalidade dela é forte, determinada, e me surpreende a mania que ela tem de ser tão teimosa. Ela é muito linda, com esses cabelos coloridos e camisetas de banda, que não ficariam tão perfeitos em mais ninguém, assumo que nós ficamos muito de vez em quando, mas ela parece não querer nada comigo, pois está cansada de ser enganada, iludida. Só queria que ela soubesse que sem ela, eu morreria por dentro, e que se ela confiar em mim, eu provarei que não sou outro mentiroso, apenas não consigo parar de pensar nela. Ela veio do nada, é nova na escola, mas já se tornou tudo, tudo o que eu preciso, escutar November Rain me faz lembrar dela incessantemente, me sentindo um pateta, e assim como Axl Rose já diria, eu digo para você, Manoela: eu sei que é difícil manter o coração aberto quando até mesmo os amigos parecem de machucar, mas se pudesse consertar um coração partido, não haveria tempo para te encantar? Eu só preciso de um sim, Manoela... sobe aqui." , a menina até então permanecia em choque, com o coração na mão, secretamente vibrante por receber essa notícia. Ela caminha até o palco, fazendo a alegria dele, e quando finalmente chega, ele a pergunta: "isso é um sim?", "com uma condição", ela responde, e ele a questiona qual. "Nunca, entendeu? Nunca desiste de mim", e ele diz "Como se eu conseguisse". Nesse momento, a garoa se transforma em chuva, e eles se beijam ao som de November Rain, a cena em que ela imaginara por muito tempo sem acreditar que realmente aconteceria. Esse era o dia o qual os recordariam-se juntos, para o resto de suas vidas, sabiam que nada durava para sempre, mas decidiram que seriam o nada, um do outro. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!