Leves devaneios

11 setembro 2013


Lá estava ela em direção a biblioteca de sua escola, motivada pela necessidade de estudar e de ler um pouco, enquanto caminha ela se depara com uma garota pedindo seu histórico escolar, em um tom de voz levemente apreensivo. Pelo que escutou, seu nome era Luana. E perdeu-a de vista enquanto ia para a biblioteca para fazer seu trabalho de Geografia, o qual havia se irritado por não achar nada útil em sites de internet, e enquanto folheava um livro grosso, Luana reaparece para conversar com a bibliotecária sobre algo o qual não me recordo agora. A mulher perguntou algo, e a menina relata sua situação, dizia que estava mudando de escola, pois seu pai morou na Itália durante 7 anos e decidira levar a filha para mudar-se para lá também, explicou-se por uns minutos e foi embora. 
Podia considerá-la metida, mas assumiu para si que Luana lhe parecia bem mais simpática que arrogante, e sentiu por uns minutos um tipo de inveja, aquela inveja que a faz querer a mudança sem desejar o mal de ninguém ou considerar a outra menos merecedora que ela. Bom, na verdade este era um sonho que andava reprimido há algum tempo: o de ir embora para longe e conhecer algo novo, mostrar seu jeito diferente para pessoas que ainda não conhece, em lugares que nunca antes visitou. Precisava de um clima mais fresco, sem nada em excesso, nem calor nem frio, apenas uma brisa suave penteando seus cabelos e acariciando seu rosto era o que desejava. Sua vontade não era desistir de seus sonhos na intenção de fugir de tudo e todos que em sua vida estavam presentes, apenas possuía leves devaneios de continuar suas batalhas em um lugar melhor, onde as pessoas não tivessem tanta dificuldade em ser gentis e aceitar as diferenças de um ser que raramente concorda com a opinião dos demais. Mas decidiu parar de imaginar o que no momento era impossível, e achou que seria melhor apenas focar na única coisa que a interessava: a batalha por um futuro melhor para si e sua família.

2 comentários:

  1. Quantas vezes eu pensei que, indo embora tudo seria bem mais fácil ou se resolveria. Mas parando para perceber, talvez as coisas só iriam piorar para meu lado, partindo, deixando de lado tudo que me atrasa e me deixa mal. O jeito é continuar e tentar melhorar para afastar tudo de ruim, deixar que a vida monte sua história e você apenas siga seu roteiro. :)

    ResponderExcluir
  2. @Taina Eugênio. A ideia do texto não era deixar as coisas de lado, apenas continuar as batalhas em um lugar melhor, e quem nunca sonhou em morar em um lugar diferente, né? De qualquer forma, obrigada pelo seu comentário, a opinião de todos, mesmo quando discorda, me deixa muito feliz =)

    ResponderExcluir

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!