O que é alienação afinal?

10 setembro 2013


Nesses últimos dias andei falando muito sobre alguns objetos de alienação impostos pelo governo, entre eles a televisão, a moda, as modinhas, as revistas, os eventos sociais, e até mesmo algumas celebridades acabam se tornando um sem perceber, uma vez que a obsessão de seus fãs possa passar dos limites. Até mesmo o computador pode transformar seus usuários em um alienado, uma vez que o gosto leve ao vício descontrolado, e impeça a pessoa de aprender algo decente, já que ela não pensa em outra coisa. Um simples objeto de compra, pode se tornar uma alienação, quando a pessoa não aceita outra marca a não ser sua favorita.
Muitas vezes quando eu falo em determinados objetos, algumas pessoas acabam interpretando-me errado, como se todas as pessoas que o usem sejam por mim, consideradas alienadas. E elas acabam ofendendo-se por isso, mas não é bem isso que eu quero dizer, até eu assisto TV de vez em quando, folheio uma revista, e vou a alguma festa. Até mesmo eu sou obcecada pela minha banda favorita, apenas imponho limites para que tais atividades não me prejudiquem, a alienação só acontece quando o vício se torna obsessivo e sai fora de controle. Um bom exemplo disso são aquelas pessoas que não perdem UM capítulo de sua novela, e ficam irritadas quando alguém as impede de ligar a televisão, brigam quando a desligam ou trocam de canal, sendo que elas passaram a impressão de não estarem assistindo. Ou seja: elas precisam que a TV fique ligada o tempo inteiro, ou o mundo vai acabar. Isto se chama alienação, mas o ato de assistir TV de vez em quando não faz de mim uma alienada, pois eu não me considero dependente dessa atividade, se a TV estiver ligada em algo interessante, eu assisto. Se estiver desligada, melhor ainda. Eu até gosto das novelas, mas prefiro seriados e filmes. 
Outro exemplo, é a moda. Ela pode alienar tanto seus seguidores, quanto seus haters. Como assim? Vou explicar. A sociedade possui vários padrões de estilo, comportamento, e personalidade, e muitos ficam desesperados em se encaixar algum deles, o mais perseguido é o perfil de "estiloso", de "antenado", aquele que está por dentro das tendências é considerado o mais legal, mas na verdade, não passa de um robô desesperado para obter os hits da estação, ou aqueles objetos de modinha, que dura apenas uma ou duas semanas. Eles não pensam em outra coisa, a não ser comprar e ser "fashion". Isso é alienação. Mas os haters (pessoas que odeiam moda), também podem ser considerados alienados, eles podem até pensar em outras coisas que façam bem a eles, mas quando eles vão a uma loja e gostam de determinado objeto, deixam de comprá-lo pelo simples fato de ser "muito modinha". Deixam de ser eles mesmos só para provar que odeiam mesmo a moda. Eu sou a favor de usar o que eu gosto, independente de ser moda ou não. As revistas, são apenas um acompanhamento da moda, afinal, elas é que mantém as pessoas informadas do que está "in" ou "out", além de oferecer dicas de paquera e comportamento, como se fossem casos de vida ou morte. Os leitores se tornam alienados quando se sentem na obrigação de comprar a revista todo mês ou assinar, quando acreditam piamente no que está escrito ali, achando que as dicas são a garantia de um final feliz. As garotas levam a revista para a escola e usam-a para ignorar a professora de português, para depois entrar no Facebook e escrever coisas como "agradesser" e "esencia" em seu Facebook, o mais importante para elas não é aprender sobre política, isso é chato, importante mesmo é ler a entrevista que a Capricho fez com a Mc Annita! O vício nesse caso, torna sim a leitora uma alienada, mas se por exemplo, você não tem nada para fazer mesmo, já terminou seu livro e decide folhear uma revista qualquer, isso não faz de você um alienado, você só está lendo uma revista para fugir do tédio, que mal há nisso?

Também são alienados aqueles que não perdem uma só festa, e consideram a coisa mais importante mostrar para todo mundo o quanto eles sabem aproveitar a vida. Tudo bem, se divertir é ótimo, mas não quando isso passa dos limites, existem muitos adolescentes que em plena terça feira já estão procurando no seu Facebook uma festa que eles possam frequentar neste sábado, e outra para o domingo, eles brigam para conseguir dinheiro e permissão dos seus pais, pois se não irem serão excluídos e deslocados. Ano passado, em 2012, houve o São Leopoldo Fest, como todo ano claro, imagina quantos alunos decidiram matar aula e perder sua prova apenas pela necessidade extrema de assistir uma banda tocando no palco? "Não interessa se eu vou repetir em matemática, é o meu ídolo e eu tenho que ver ele, ué". E coitados de seus pais se o contrariarem, a confusão não acaba mais. Quando a necessidade é exagerada demais, e se torna mais importante do que os estudos, a leitura e coisas assim, pode ser considerada uma alienação. Mas se por exemplo eu ver que tem um evento nesse sábado, o qual eu não tenho nada para fazer, e decidir ir, tudo bem, não estou perdendo nada, ir em festas ocasionalmente não faz de mim uma alienada.
A alienação causada acidentalmente pelas celebridades não fica para trás, afinal, elas são amadas por milhares de pessoas no Brasil e no mundo, tem bilhões de fãs e pessoas que as acompanham diariamente. Ser fã é algo absolutamente comum na fase da adolescência, mas tem algumas pessoas que exageram nisso, a primeira coisa que me veio a cabeça foram as "beliebers", elas choram e brigam por seu ídolo, não suportam a possibilidade de que ele namore, e passam o dia inteiro pesquisando sobre sua vida, vendo vídeos e beijando fotos. Seus quartos são cobertos de posters, e o "amor" é tanto que se ele entrar em um quarto desses, é capaz de ficar aterrorizado com o que vê lá dentro. "Aquela é uma boneca vudu da Selena Gomez?". Pra que estudar geografia, se elas podem se matar pra vencer uma promoção cujo prêmio são ingressos pra turnê? Depois elas chegam lá sem saber a diferença entre leste e oeste, de tanto tempo que perderam dando um "Google" em Justin Bieber. Eu também sou obcecada pela banda AC/DC, meu fanatismo é tanto que me levou a possuir a discografia completa desde 1973 até os dias atuais, mas não acho que esse meu amor pela banda faça de mim uma alienada, pois eu não perco tempo pesquisando sobre ela e assistindo seus vídeos. Eu tenho uma vida pessoal para cuidar, procurar emprego, estudar, ler e escrever têm uma enorme importância para mim, e a palavra carreira é algo que não sai da minha cabeça nem por um minuto, claro que eu determino uma hora para descanso, é necessário equilibrar, mas o meu foco é mesmo esse: planos para o futuro. 
E por fim, temos muitos outros casos de alienação ocorrentes, como no trabalho. Alguns funcionários permitem-se exercer apenas uma função na empresa, obtendo prática em apenas uma atividade, todos os dias ele preenche a mesma prateleira, do mesmo corredor de um mercado. Enquanto seu colega abastece tudo, limpa rapidinho e ainda é capaz de registrar quebras e trabalhar no caixa, ele fica ali no mesmo lugar, todo santo dia, em um canto praticamente escondido de seus outros colegas. Isso também é um tipo de alienação, uma vez que ele não seja nada versátil e isso possa interferir em sua vida profissional, fazendo dele um funcionário até mesmo inútil e correndo risco de uma demissão por não abrir mão do seu amado setor de produtos diet. Ou seja, a alienação sempre acaba por interferir na vida do indivíduo de algum modo, mas ela só passa a existir quando um vício ou costume, passa dos limites tornando-se incontrolável.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!