Ostentação nas Igrejas

18 setembro 2013


Primeiramente me sinto na obrigação de avisar que não venho com a intenção de ofender a religiosidade de ninguém, nem impor uma verdade absoluta, nem todos pensam do mesmo jeito que eu e ninguém é obrigado a concordar com o que digo. Já abordei o tema com alguns amigos, e alguns se sentiram ofendidos com o que falei, dizendo que a igreja deles não era assim, sendo que nem tínhamos a mesma religião. Espero deixar claro que não estou xingando ninguém, muito menos tentando ser a dona da verdade, cada um tem a sua opinião e eu estou apenas mostrando a minha.
Embora eu seja católica, eu não me considero uma pessoa muito religiosa, creio em Deus, rezo de vez em quando, mas não frequento a igreja. Minha igreja vai contra minha opinião, por isso não costumo visitá-la com muita frequência, geralmente quem visita sua Igreja com amor à sua religião costuma ter mais fé. Para quem não tem essa religião, vou explicar. Os católicos costumam ter uma espécie de curso, chamado catequese, ele dura dois anos, geralmente fazemos quando estamos na terceira, quarta ou quinta série, tendo de 9 a 11 anos.  No primeiro ano aprendemos a ler a Bíblia, decoramos preces e orações, aprendemos os 7 pecados, os 10 mandamentos, entre outras coisas. No segundo ano, temos o que chamamos de retiro, que é na verdade um treinamento para a comunhão, para aprender as músicas que deveremos cantar e como o ritual de passagem deverá ser feito. 
Mas a comunhão e até mesmo a própria Igreja católica, acabam ironizando o que aprendemos sobre os 7 pecados capitais, entre eles a vaidade, que é um tanto exagerada, pais de crianças a partir de 10 anos, saem desesperados em busca de vestidos brancos para a comunhão de suas filhas, ou de ternos e gravatas caso seja um garoto. Para as meninas é pior e mais caro, exigem penteados extremamente finos, luvas e anéis de comunhão, parece que estão sendo preparadas para um casamento. É contraditório preocupar-se tanto com a aparência, depois de passar um ano inteiro ouvindo que vaidade é pecado. 
As contradições não param por aí, quer um exemplo? Irei falar da igreja que há no meu bairro (não mencionarei nome ou endereço), na minha infância ela era apenas uma capela simples, sem muitos enfeites, com o tempo foram acrescentando jardins e escadarias, como se aquilo fosse um castelo, o que já é uma espécie de vaidade. E vaidade é pecado. Talvez você me diga que as igrejas são assim para atrair visitantes, mas falar isso só aumenta a proporção do erro, a igreja deveria atrair a fé das pessoas, e não o interesse, a vaidade, as pessoas deveriam ir lá movidas por sua esperança e desejo de rezar, de amar a Deus e a sua religião, e não por terem achado a Igreja bonita, ou por se sentirem obrigadas a frequentá-la. 
"A Igreja deve ter esse luxo, pois Jesus merece isso. Ele morreu por nós, foi morto e crucificado para salvar os pecadores de um destino no inferno ardente". A última coisa que Jesus desejaria seria o luxo, a preocupação dele era sempre fazer o bem sem olhar a quem, ele era humilde e bondoso mesmo com aqueles que ninguém julgaria merecedor. Sua alimentação era composta apenas de vinho, peixe e pão, e dividia esse pão com doze discípulos, ou seja, ele provavelmente não se sentiria confortável em meio ao requinte, pois ele não está acostumado a isso. Não é isso que ele apoia. A igreja deveria ser o mais simples possível, pois assim ela simbolizaria corretamente a verdadeira realidade cristã, e também atrairia pessoas que realmente têm o hábito de frequentá-la com amor, não importando se ela é feia ou bonita, confortável ou não, pois o seu conforto já está no ato de rezar e amar ao Senhor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!