Resenha: Histórias que os Jornais não Contam

04 novembro 2013


Autor: Moacyr Scliar
Ano: 2009 (2ª Edição)
Editora: Vida Melhor

Moacyr Scliar nasceu em 1937, filho de imigrantes judeus vindos da Basserábia. Era formado em medicina, e fazia parte da Academia Brasileira de Letras desde 2003. Escreveu mais de 70 livros de romances, crônicas, contos sobre temas médicos, etc, publicados internacionalmente. Depois de alguns anos, tornou-se cronista semanal da Folha de São Paulo. 
Em 2009, publicou a obra "Histórias que os Jornais não Contam", que é um conjunto de crônicas inspiradas em notícias de jornal, até mesmo pequenas manchetes resumidas, como por exemplo: "Local Ideal para encontrar um parceiro após os 45 anos é a internet, informa estudo publicado na revista britânica new scientist". 
Neste livro ele cria histórias ficcionais baseadas em manchetes de jornal, cada uma delas sempre cheia de fantasia, romance e bom humor, com alguns fatos cômicos, nenhum deles é realmente verdade, mas também não é mentira, para ele eram apenas "histórias que se esqueceram de acontecer". Os objetos ganham vida e sentimentos de um modo que o público pode ser de todas as idades, e até mesmo adolescentes e adultos possam gostar de suas histórias, envolvendo alguns dramas e finais inesperados, nem sempre felizes.
Não se pode eleger uma crônica favorita, pois cada uma delas carrega uma essência totalmente original e inspirador, fazendo com que o interlocutor se entregue à leitura, soltando risos e sorrisos o tempo todo. Histórias como "O Carrinho Ciumento" são de encantar qualquer um, ela conta a história de um homem que aderiu à invenção de um carrinho inteligente, com um detector infra-vermelho, fazendo com que o cliente leve apenas o que gosta, precisa e é saudável no super-mercado, garantindo inclusive a faixa de preço desejada. Este homem estava de dieta, e precisava economizar, pois sua situação financeira não estava muito bem, além de ter uma maneira exigente relacionada aos hábitos alimentícios. O carrinho funcionou às mil maravilhas, e auxiliou muito na vida dele, até que um dia, ele se deparou com uma moça atrapalhada no mercado, decidiu ajudá-la e eles começaram a sair. Previsivelmente acabaram se apaixonando de um maneira até mesmo clichê, e o carrinho começou a ficar com ciúme, acionando o infra-vermelho toda a vez que a moça aparecia, cada vez mais alto. Isso fez com que o moço tivesse que largar o carrinho várias e várias vezes, até o dia em que não o usaria mais.
Além dessa, há várias outras histórias, dos objetos sentimentais aos romances com final cômico, e até mesmo histórias envolvendo política, cada uma tem seu brilho próprio, a leitura é totalmente recomendável.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!