O passado sorri

15 janeiro 2014


Encontrada em: http://cuatroencantos.blogspot.com.br/
Fernanda, tá aí uma garota que ama revirar o passado. Não por saudade, não por angústia, não por dor. Apenas pelo prazer de relembrar diariamente cada sorriso que deu ao lado de quem ama ou amou. 
Hoje mesmo ela estava andando sozinha na praça, com um vestido branco, e uma rasteirinha nude, comendo uma casquinha, e sentando-se no banco. Lembrou-se da vez em que ela e o ex namorado, Leonardo, foram no Shopping para caminhar um pouco juntos e comer um hambúrguer, acompanhado de fritas e Coca Cola. Ela, que sempre foi atrapalhada, deixou que o molho escorresse em suas mãos, fazendo com que o garoto soltasse um risinho controlado, e a deixando encabulada. Ele, por sua vez, foi comer uma batatinha e deixou que ela caísse de sua boca, fazendo com que Fernanda caísse em uma risada alegre e espontânea. Não podia fazer nada além disso, pois nunca fôra boa em segurar o riso, apesar de ser pró em esconder as lágrimas. Lembrando dessa cena, deu um sorriso bobo. Não o amava mais, não sentia tanta saudade, mas ah... como aquele dia foi bom.
Em mais uma colherada de sorvete, lembrou-se de quando conheceu o seu primeiro namorado, ele era meio atrevido às vezes, tocava onde não devia, mas era engraçado e inteligente, sem ser idiota. Lembrou-se de quando a distração de ambos os fez ficarem perdidos no centro de sua própria cidade, eles estavam procurando o bar onde estavam antes de saírem para caminhar na rua. Encontraram um lugar que parecia ser ao mesmo, e afastaram-se para avistar a placa. Caíram no riso ao descobrir que aquilo não era um bar, mas sim, um salão de beleza com a mesma paleta de cores. "Sou eu ou você quem já está bêbado?", zombou o garoto, recebendo um "vai saber" como resposta. 
Ela abaixou a cabeça e deu uma risadinha lembrando-se, sem rancor nem nostalgia, das pessoas que passaram por sua vida e saíram sem dar tchau. O sorvete estava acabando, estava na hora de comer a casquinha.
Enquanto mordia, lembrou-se daquela vez em que ela e um de seus poucos namorados estavam na casa dele, jogando vídeo game no quarto do garoto. Ela não tinha coordenação nenhuma para mexer no controle, e demoraria séculos para que ela conseguisse passar por uma fase. Tentou derrotar um vilão do seu jeito atrapalhado e histérico, fazendo com que seu namorado quase morresse de dar risada. E ela também, acompanhando o ritmo com bom humor. Deu um risinho ao lembrar-se de quando, em casa mesmo, fez seu pai e irmã caírem na gargalhada enquanto a garota tentava passar pela primeira fase de Resident Evil 4, matar um velho com um machado será sempre um desafio para uma pessoa que não tem coordenação. 
O sorvete acabou, e uma brisa fresca de fim de tarde de verão apareceu, acariciando seus cabelos que com isso, esvoaçaram de leve. Ela se lembrou de um dia na Educação Física da escola, ela e mais duas amigas estavam na quadra de futebol, apenas tentando fazer gols, sem jogar realmente. Sua colega chutou a bola, e ao tentar defender o gol, Fernanda escorregou e caíu sentada no chão, mas conseguiu defender encostando na bola com os pés, já que o chute não fôra muito forte. Ela levantou os braços com um sinal chifrado nas mãos, fazendo com que suas amigas rissem como se não houvesse amanhã. 
Enquanto sorria, recebeu um sms no celular: era sua amiga convidando-a para uma festa do pijama, na casa dela. Dvds's, pipoca, salgadinhos e uma amiga cheia de novidades para contar estavam esperando-a em uma casa não muito longe da qual ela morava. Respondeu o SMS com um "com certeza", e levantou-se do banco da praça, disposta a organizar mais um dia do qual recordaria com carinho. Ela amava viver no passado, mas às vezes é preciso perceber que temos um presente inteiro para nos fazer sorrir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!