Diário de uma Paixão: Perguntas para Discussão

17 fevereiro 2014



Este é o primeiro livro que eu leio o qual me inspira não apenas para um, e sim, para dois posts. Estou realmente feliz, pois passei uma semana sem postar, e este livro me ajudou bastante a ficar mais inspirada.
Quando a história termina, a editora oferece algumas perguntas para serem respondidas pela pessoa que está lendo o livro, e eu achei que pudesse ser uma boa ideia se eu respondesse todas em um post. Afinal, eu estava na seca, tenho que aproveitar as oportunidades quando elas surgem.
Sem falar que posts como esse são ótimos para que vocês possam saber um pouco mais sobre mim e sobre o que eu penso, afinal, blogs servem para isso mesmo.
Então, sem mais delongas...

Em certo momento do romance, o personagem Gus diz a Noah: "O meu pai me contava que a primeira vez que a pessoa se apaixona muda a vida dela para sempre, e por mais que você tente, o sentimento nunca desaparece. Essa garota de quem você me falou foi o seu primeiro amor. E não importa o que você faça, ela vai ficar com você para sempre". Você acha que isso é verdade? Você se lembra do seu primeiro amor?
Não, eu não acho que isso seja verdade. A minha vida mostra totalmente o contrário, o meu primeiro amor não foi correspondido, para o meu azar. Eu gostava dele desde pequenininha, e resolvi contar quando tinha uns 15 anos, mas quebrei a cara. Bom... eu me apaixonei por outro para superar esse, mas deu errado outra vez, porque também não correspondeu. Depois, tive dois namoros que duraram muito pouco, e resolvi abandonar esse tipo de coisa por um bom tempo. Mas resumindo, o primeiro amor pode até ter ocupado um bom tempo da minha vida, mas ele não faz mais parte dela, eu não sinto mais nada por ele, e ele não passa de um mero conhecido para mim. Não guardei rancor algum, e a gente ainda conversa de vez em quando, pois éramos amigos, e apesar de termos nos distanciado, ainda nos damos bem se precisarmos conversar. 

A casa restaurada por Noah tem papel fundamental na trama do romance. Na verdade, é um artigo de jornal sobre a restauração que atrai Allie de volta a Nova Berna. Na sua opinião, o que a casa representa? O que isso diz sobre a importância do lugar? Noah restaura mais alguma coisa no romance?
Ao restaurar a casa, ele acabou restaurando também as lembranças que Allie tinha do amor que eles viveram. Afinal, ela estava prestes a noivar com Lon, e se não lesse o artigo de jornal, talvez se esquecesse de Noah e nunca mais viesse a pensar nele de novo. A restauração da casa foi crucial na decisão final de Allie.


Quando Allie decide ir visitar Noah "uma última vez", você acha que ela queria apenas dizer adeus ou secretamente esperava se apaixonar novamente por ele? Foi uma atitude correta da parte de Allie, que já tinha se comprometido a se casar com Lon, fazer essa visita? Sua resposta seria diferente se ela já fosse casada?
Se o artigo de jornal balançou tanto ela, isso significa que ela ainda estava apaixonada por ele, ou seja, ela não esperava dizer adeus, nem se apaixonar de novo. Ela simplesmente precisava ver ele, e acabou agindo por impulso. Pode parecer cruel o fato de ela ter visitado Noah e acabado com seu noivado em nome do primeiro amor que ainda fazia parte dela, mas por outro lado, seria ainda mais cruel se ela continuasse vivendo ao lado dele, iludindo-o com o amor que ela na verdade não sente. 

Quando indagada pela mãe, Allie afirma amar Noah e Lon. Você acha que isso é verdade? É possível amar igualmente duas pessoas? Ou é possível estar apaixonado por duas pessoas ao mesmo tempo?
Não há como amar igualmente duas pessoas, pois o amor é algo forte demais. Quando você ama alguém, você só quer saber dessa pessoa, não importa quantas opções aparentemente melhores existam no mundo, só uma pessoa em especial vai ser capaz de te fazer feliz. Ela provavelmente amava Noah, mas estava apenas um pouco apaixonada por Lon, afinal, o namoro deles foi incentivado pelos pais dela, e se não fosse por eles, Lon nem existiria na vida de Allie. E ela nunca foi capaz de esquecer Noah, muito menos diminuir a intensidade dos sentimentos que possuía por ele.


A mãe de Allie se arrepende por ter escondido durante tantos anos as cartas que Noah escrevera para Allie. Por que a mãe de Allie muda de ideia , especialmente uma vez que o casamento de Allie e Lon estava marcado para dali a três semanas? Você consegue entender as motivações que levaram a mãe de Allie a esconder essas cartas? Como mãe, não era função dela zelar pela filha?
Ao esconder as cartas, a mãe de Allie estava tomada pela fria ignorância de pensar que a classe social de Noah fazia com que ele não fosse feito para ela, pois a mulher pensava que status era mais importante do que amar de verdade. Mas, vendo que as cartas não acabavam mais, ela provavelmente foi mudando de ideia ao perceber que Noah amava sua filha de verdade, e que ele jamais a esqueceria. Isso fez com que ela se arrependesse de seu egoísmo, pois era ele quem realmente a faria feliz.

Você ficou minimamente surpreso quando por fim se revela que Allie decidiu se casar com Noah, ou tinha alguma dúvida?
Nem um pouco, livros assim são previsíveis.

No final do romance, o amor de Noah e Allie é tão puro e vigoroso como no início. É possível que a intensidade do primeiro amor dure tanto tempo? Ou é algo fantasioso esperar isso?
É completamente fantasioso esperar isso, eu pelo menos nunca ouvi falar de nenhuma história real onde o primeiro amor era correspondido, quanto mais durar a vida inteira. 

Embora não esteja em suas melhores condições de saúde, todo dia Noah vai até o quarto de Allie e lê para ela o "diário de uma paixão". Por essa razão, o estado de saúde de Allie é melhor do que o da maioria dos outros pacientes de Alzheimer. Você acha isso plausível? A condição de saúde mais estável dela é resultado do fato de ouvir diariamente o relato , ou há forças mais poderosas em ação? O que a devoção de Noah sugere sobre o casamento? E sobre a natureza do próprio amor?
A vida nunca me deu motivos para acreditar que um amor assim exista, mas no próprio casamento o padre já diz "na saúde e na doença até que a morte os separe". Quando o amor é verdadeiro, não há nada que o impeça, e isso explica a eterna fidelidade que Noah teve por Allie. Entretanto, não acho que o amor que ela sentia pudesse causar uma melhora em sua saúde, ele a fazia ficar mais feliz, e felicidade faz bem para o coração, mas ela só se lembrava desse amor porque ele lia para ela todo dia. Ou seja, ela era recordada disso, recebia ajuda, se não fosse pelas leituras diárias, ela não lembraria dele por mais que o amasse, pois o Alzheimer causa a perda total da memória.

As cartas trocadas entre Noah e Allie , os poemas que os dois compartilham e o diário que Noah lê para Allie todo dia são partes integrantes do romance. E durante a Segunda Guerra Mundial, um livro literalmente salva a vida de Noah. O que isso sugere sobre o poder da vida escrita? Por que esse poder é tão importante em Diário de uma Paixão?
Escrever é mais fácil do que falar desde que o mundo é mundo, pois quando a gente erra ao escrever, podemos apagar e refazer. Mas uma palavra dita não pode ser mudada, e pode jamais ser esquecida. E ler é sem dúvidas bem mais agradável do que conversar, ainda mais quando nos infiltramos na leitura e passamos a sentir o que estamos lendo. O poder da escrita é tão grande que, se as pessoas se comunicassem apenas por cartas, não haveria tanta guerra no mundo, pois as palavras seriam medidas antes de serem ditas.

Diário de uma Paixão é um campeão de vendas não apenas nos Estados Unidos, mas em todo o mundo. Por que você acha que isso acontece? O que este livro tem que consegue dizer tanto para uma gama tão variada de pessoas?
A vida real já é chata, frustrante e decepcionante, todo mundo precisa de um pouco de fantasia para sobreviver aos dias vazios que a vida lhes oferece. E nada como um bom livro para ser vivido paralelo às nossas vidas, não é mesmo?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!