Super-exposição nas Redes Sociais

05 fevereiro 2014


Acesse o twitter da pessoa e saberá o que ela tá fazendo. Acesse o Tumblr e saberá o que ela está sentindo. Acesse o Facebook e verá uma biografia virtual da vida dela.
Sei que é idiota, mas algumas pessoas são assim mesmo: oferecem informações para os stalkers e depois ainda têm coragem de reclamar que "tem gente cuidando da vida delas".
Até um tempo atrás o Twitter era tipo um pedido de casamento para quem gosta de Stalkear, se você se apaixonasse por um viciado em twitter, daria a sorte de saber de tudo sobre a vida dela, ou quase tudo. No Facebook só tinha "no que você está pensando?".
De um dia para o outro eu entrei no Facebook, e ele estava assim: "O que você está fazendo/sentindo/lendo/ouvindo/bebendo/comendo/jogando/viajando para".
Sem falar que no Face tem a opção de mostrar pra todo mundo que você estuda em escola tal, mora em bairro tal, trabalha em empresa tal... 
Eu sei, eu sei... as redes sociais servem basicamente para expor uma parte da sua vida, manter contato com algumas pessoas e ainda conhecer outras.
O problema é que algumas pessoas não entendem a parte do "basicamente" e muito menos do "uma parte", e resolvem transformar o seu Facebook em uma biografia virtual, quem entra consegue assunto grátis na sua rodinha fútil de fofoca.
A pessoa termina o namoro e do nada vira um poeta, postando mais de mil indiretas e fazendo papel de palhaça sem saber, muitas vezes ela posta isso antes mesmo de mudar o status de relacionamento, e colocar lá: "fulano está se sentindo abandonado".
Acho isso completamente desnecessário. Eu gosto de twitter, gosto de Facebook, e gosto do Tumblr, mas tudo tem limite Não precisa mostrar a sua vida na internet, não precisa mostrar o que sente porque ninguém liga pra isso, e alguns podem até se aproveitar. No Facebook eu só entro pra curtir ou compartilhar algo, e às vezes eu entro offline por não querer conversar sobre nada. No twitter eu atualizo bastante, assumo, mas mesmo assim não é tanto se comparado aos viciados em Facebook. No Tumblr eu sou viciada, mas não divulgo pra ninguém: eu reblogo o que sinto, e ninguém precisa saber desse tipo de coisa. 
Lembrem-se de que menos é mais, principalmente quando se trata das informações sobre a sua vida que você oferece para desconhecidos na internet. Não estou falando apenas do fato de isso ser tosco e fútil, mas também da sua segurança (pode me chamar de chata, mas nunca se sabe). 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!