Separavelmente inseparáveis

05 março 2014


Growl - exo
"Você se lembra? Você e eu, nós costumávamos ser inseparáveis". 
Dito isso ele não se conformou, estavam se afastando um do outro sem um motivo aparente. 
Cada um para seu lado, cada um com o seu rumo, o seu destino. 
Há quanto tempo eles não tinham tempo para sustentar o que chamavam de amizade eterna? O nó que os unia finalmente fora desenrolado, e infelizmente, se desenrolou mais fácil do que parecia.
Programas cancelados, brigas ocorridas, e um vazio enorme que se instalara entre os dois. O que estava acontecendo? Ninguém sabia explicar.
A amizade deles era parecida com uma relação amorosa, pois a ligação a qual sentiam era muito forte. Eles não viviam sem o outro, estavam sempre juntos. Na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, até que a morte os separe. 
Mas não foi a morte que os separou, e sim, o amargo vazio que surge com o passar do tempo. Os dias ficam iguais e as risadas vão perdendo sua importância. 
E como em várias relações que se vê por aí, o amor que havia entre eles simplesmente esfriou. Não foi como um cigarro que se apaga, foi mais como um café que esfria quando você o serve e esquece de tomar. Você quer tomar ele, mas ele está frio, não é a mesma coisa. É ruim. 
A mesma coisa aconteceu com a amizade deles, eles a criaram e se esqueceram de aproveitar. Foram se desprendendo um do outro, e quando se deram conta, já havia esfriado. Eles queriam se unir, mas não era a mesma coisa. Era ruim.
Era como se tivesse abrido um grande buraco entre eles, um buraco negro repleto de dor e apatia. Acabou a compreensão, ninguém ali se conhecia mais. 
Durante o tempo que passaram sem se falar por simplesmente não ter tempo, muita coisa mudou, principalmente eles. Haviam segredos, haviam histórias que nenhum dos dois sabia se poderiam ser contadas. 
E tudo o que restou daquela amizade de infância foi saudade, ela é sempre a consequência de se viver bons momentos, pois nada dura para sempre. Mas tudo dura o suficiente para ser lembrado com ou sem carinho. No caso deles, eles não sabiam se isso era carinho ou se eram arranhões.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!