Sorrisos são como máscaras

08 março 2014


Sweetie
O sorriso dela é praticamente mitológico, é como uma lenda grega. É mágico, até. 
Ele serve de máscara, uma máscara que cobre seu verdadeiro eu, uma máscara que cobre seus verdadeiros sentimentos. Uma máscara que ela usa na tentativa diária de fugir de si mesma.
Não, ela não está bem, nem feliz ou otimista. Ela quer, mas não espera que as coisas melhorem, ela não espera mais uma onda de notícias boas, pois quando a mesma chega, ocorre um tsunami de notícias ruins.
Ela está cansada de acreditar, cansada de lutar. Mas luta, não sabe bem até quando, mas talvez isso não importa, que outra alternativa ela tem? Chorar pelos cantos? Se isolar pela enésima vez?7
Ela sabe que momentos difíceis são bons para revelar quem é quem, são perfeitos para mostrar quem tem caráter, quem finge ter e quem nem sabe mais o que é isso. Mas ela já não precisa deles, pois sabe que todos ao seu redor são falsos, todos usam uma máscara tingida com uma ética e uma moral que eles não possuem, mas querem aparentar o contrário. Ela sabe que todos mentem, ela sabe que a sinceridade não existe mais, se é que um dia existiu.
Quem a vê contar piadas e gargalhar por aí, se surpreenderia ao calcular seus medos, dores e segredos, e se espantaria ao ver que de feliz, ela não tem nada. Ela não é boa em esquecer, não é boa em aceitar, não é boa em superar, mas é ótima em fingir que é boa em tudo isso. Ela é ótima em fingir que não se importa, e todos os dias, caminha por aí, espalhando ao mundo uma positividade que ela não possui.
Ela é forte do jeito dela, e toda noite quando se vê sozinha em meio ao silêncio, larga as armaduras e chora, tomada de um vazio inexplicável, mas ninguém desconfia de nada nem irá desconfiar... seu segredo não precisa de sete chaves para ser guardado, precisa apenas de algumas risadas e uma piada qualquer.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!