Ler revista pode não ser tão fútil

02 abril 2014



Quando eu tinha 14 ou 15 anos eu era completamente apaixonada por revistas, vocês não fazem ideia. Todo mês eu dava um jeito de comprar uma Capricho, uma Yes Teen ou uma Atrevida, mas com o passar do tempo, essa vontade de comprar e acumular revistas foi enfraquecendo, e só restou aquela pilha inútil na minha prateleira, ocupando espaço com coisas que, aparentemente, não me acrescentariam nada. Eu mandei tudo para a reciclagem, e até hoje eu faço piada de alguns artigos realmente toscos de revistas como a Capricho, principalmente. 
Mesmo quando eu comprava, eu não lia a revista por inteiro: nunca dei a mínima para matérias de moda, estilo, não estava nem aí para entrevistas, eu tirava os posters e jogava fora, e também não ligava pra matérias sobre garotos. Era tudo muito generalizado (e ainda é), nem todos os homens são iguais, cada um gosta de um tipo de garota, eu já li cada besteira sobre a preferência deles que vocês nem fazem ideia. Algumas eram aceitáveis, pois davam conselhos como: "seja você mesma, o garoto ideal vai te aceitar como você é." Mas em uma matéria, eu também vi uma porcentagem do que os garotos odiavam no corpo das garotas: celulite, estrias, garotas gordas, garotas que usam óculos... vai tomar no cu (desculpa). Sério? É assim que elas querem que as leitoras aceitem a si mesmas? Se ela usar aparelho, óculos, for gorda, baixa, tiver estrias ela tá condenada a ficar sozinha pro resto da vida? Claro que não! Nem todo homem é imbecil a ponto de rejeitar uma garota só porque ela não é magra, alta, com a pele perfeita, dentes perfeitos, visão perfeita... a perfeição não existe. E as revistas vivem se contradizendo desde que a primeira foi lançada. Até porque a editora chefe muda, os funcionários trocam, mas é simplesmente ridículo essa hipocrisia de ficar dando dica de dieta pra emagrecimento, de dizer que tantos garotos preferem as magrinhas, pra depois dizer "aceite você mesma". ¬¬ Aham, Cláudia, senta lá.
Apesar de várias contradições, hipocrisias e futilidades (incluindo o vocabulário delas que é de dar um refluxo até mesmo em quem tem o estômago mais forte), algumas coisas ainda podem ser aproveitadas de uma maneira positiva. Quer um exemplo? Eu adoro qualquer artigo que envolva psicologia, então pode acontecer de eu querer tal revista por causa de uma matéria sobre anorexia, bulimia, depressão, bullyng, etc. Histórias sobre lutas diárias e superação sempre chamam a minha atenção, e eu sempre me irrito com quem diz que tais coisas são "frescura" ou "falta de laço". Faça me o favor, seus pais não te ensinaram a nunca falar sobre o que você não entende? Quem precisava levar uma cintada é você que insiste em julgar os outros! Bom, indignações à parte, outras coisa legal que costuma ter nessas revistas bobas de adolescente é a última página (não, não é uma piada pra dizer "ah, ainda bem que acabou"). Nessa parte sempre vai ter um texto, ou uma crônica, refletindo sobre algo comum na vida de alguns adolescentes, e apresentando uma lição bonitinha sobre isso, e na maioria das vezes, verdadeira. 
Algumas matérias que eu li tinham dicas ótimas pra estudar bem e decorar fórmulas da escola, e por um motivo, eu acho legal aquelas matérias com dicas do que fazer nas férias (pelo menos eu achava até envolver coisas como "faça 57 misturinhas de esmaltes e dê um nome pra cada uma". Pff, até parece que eu vou perder tempo com isso, me deixa dormir, vai?). 
Ou seja, até mesmo aquelas revistas bobas podem te oferecer algo que você pode levar para a vida, você só precisa aproveitar. Claro que nem todo mês vai ter algo que te agrade, porque cada um tem um gosto, então eu sugiro que, caso vá comprar, você dê uma olhada no índice antes de levar (só toma cuidado para os funcionários não notarem isso, haha). Ninguém merece comprar uma revista e só encontrar tosquices como dicas de estilo que não combinam com seu bolso, ou dicas para impressionar um cara que pelo visto, quer mais que você suma. Mas é legal ver histórias reais de pessoas que superaram a anorexia, ou encontrar alguma motivação pra seguir um sonho (eu lembro de uma matéria que listava vários sonhos que uma garota pode ter, desde fazer intercâmbio, até conhecer o ídolo, e cada um tinha uma dica pra traçar um plano e conseguir o que você quer). Já vi matérias ajudando garotas a se darem bem com os pais, o que pode ser útil para aquelas garotas que qualquer coisinha já acham que o mundo vai acabar (vai que realmente entra alguma coisa na cabeça delas?). 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!