Livros, livros e mais livros

19 abril 2014



Na segunda feira da semana passada, recebi meu último salário (pois é, desempregada de novo =/) e o referente ao que eu trabalhei eram 220 reais. Eu achei que eram 400 (pelo mês inteiro), e pensei em já adiantar os gastos com a formatura: vestido, sapato e "ingresso", mas o vestido custa na faixa de 200, o sapato idem e o "ingresso" promete custar 150 ou 200 reais.
Fiquei indignada: "Não, eu NÃO vou gastar mais de 500 reais pra ir na minha própria formatura! E ir pra quê afinal? Pra ser obrigada a escutar funk ostentação e sertanejo universitário a noite toda? Pra ouvir aquelas músicas pop com letras sem sentido e que no próximo mês ninguém conhece mais? Nem a pau, prefiro mil vezes ficar sem a formatura do que ficar sem livros pra ler".
Que eu me irrito fácil vocês já sabiam, 220 reais não seriam o suficientes para a formatura, e ok, não precisava ter dado um faniquito, mas não me arrependo nem um pouco de ter deixado a formatura de lado para acumular mais livros na prateleira (a minha meta é encher ela todinha, a ponto de não saber mais onde colocar tudo).


Não pude gastar apenas com livros, mas gastei o máximo que pude nisso, aliás, gastei não, investi. A primeira coisa que fiz foi ir na farmácia mais barata e comprar dois pacotes de absorventes, em seguida, fui no mercado mais próximo, comprei um desodorante, um trident e coloquei créditos no meu celular. Fui na parada, peguei um ônibus, e no centro, a primeira coisa que fiz foi me cadastrar em uma agência de empregos efetivos. Depois, fui ao Mc Donald's, pois eu estava com fome e fazia muito tempo que eu não comia um big mac (rsrsrs). 
Só então eu decidi vasculhar as livrarias e comprar os livros que eu queria, comprei três na Karisma (dois do Nicholas Sparks, e Cidades de Papel do John Green), e dois na tabacaria central (ambos do John Green), devo ter gasto mais ou menos 100 reais (não lembro quanto custou no total). 


1) Quem é você, Alasca? Vi várias blogueiras falando sobre esse livro e fazendo resenhas, e isso atiçou minha curiosidade. Não sou o tipo de pessoa que pensa: "se todo mundo tem, eu preciso ter também", aliás, na minha infância eu pensava o contrário: "eu é que não vou comprar isso, é igual ao de todo mundo!". Eu era anti-modinhas, mas hoje em dia eu sou anti-ser-fresca. Porque ser anti-modinhas é frescura também, se todo mundo tem ou não, não importa, compre o que gosta independente do sucesso que esse objeto faz. Quando se trata de livros, eu fico muito curiosa quando o mundo inteiro começa a falar sobre algum livro, e acabo tendo vontade de ler também. Só não entendo essa gente que deixa de ler um livro só porque ele é modinha.

2) Cidades de Papel Fora essa, na última vez em que fui na tabacaria central eu fiquei em dúvida entre "O Theorema Katherine" e "Cidades de Papel", no dia eu queria os dois mas não tinha dinheiro, e como a moça falou bem de "O Theorema Katherine", acabei levando. E dessa vez, comprei Cidades de Papel, que é o que eu lamentei ter deixado de lado na última vez.

3) Will e Will Quando eu vi esse na prateleira, fiquei pensando: "será que é bom? Pelo que tá escrito na contra-capa ele parece meio tosco" "levo ou não levo?". Não vi mais nenhum livro que me interesse ao preço de 30 reais, então, decidi arriscar e levar esse. Nem sempre o que está escrito na contra-capa é uma previsão de o livro ser bom ou não...

4) Um Homem de Sorte Fazia muito tempo que eu queria ler esse livro, pelo simples fato de ser do Nicholas Sparks (eu amo esse autor). Eu costumo sempre ter uma lista dos livros que eu ainda quero ler, e esse livro, é claro, fazia parte dela.

5) O Melhor de Mim O que dizer sobre esse livro que eu não li, não vi o filme (será que tem?), não vi ninguém falando e mesmo assim desejei profundamente?  Fácil. É do Nicholas Sparks e por isso, fazia parte da minha lista de desejos =P

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!