#Resenha: O Milagre

14 abril 2014


Sem título | Flickr – Compartilhamento de fotos!
Jeremy Marsh trabalha em Nova York como colunista de um importante jornal, desvendando casos que todos julgam como sobrenaturais. Ele é completamente cético, não acredita em magia, fantasmas, espiritismo ou qualquer outra coisa que desafie as leis da lógica e da ciência. Tudo tem uma explicação, mas nem todos sabem encontrá-la.
Ele já havia amado uma vez, mas a mulher o largou ao descobrir que era estéril, desde então não havia amado ninguém, e o amor de sua vida era o seu emprego. Era o único homem da família que ainda não havia casado e tido filhos.
Um dia, quando estava na plateia de um programa no qual o convidado especial era um vidente que sabia bem como adivinhar a vida das pessoas, ele traçou um plano para participar desse programa e desmascará-lo. Funcionou. Por causa disso, várias oportunidades surgiram em sua carreira, e uma delas era uma carta vinda de uma senhora chamada Doris, que morava em Bone Creek, falando a respeito de fantasmas que faziam com que luzes aparecessem à noite em um cemitério antigo da cidade. Tão antigo que está afundado sabe-se lá como e praticamente em ruínas. O objetivo da carta era pedir que ele usasse seu talento para investigar o caso ocorrente.
 Ao passear pelo cemitério pela primeira vez, acaba se deparando com uma garota que por lá caminhava, ele a observou de longe, e ao perceber, a garota sorriu.
Para auxiliar na sua pesquisa, ele decide frequentar a Biblioteca Municipal de Bone Creek, onde descobre que essa garota trabalha ali como bibliotecária, chama-se Lexie e é neta de Doris, uma suposta vidente, capaz de adivinhar sexo de bebês.
Chegando no Herbs, lanchonete onde Doris e Rachel (uma amiga de infância de Lexie) trabalhavam, ele conhece algumas pessoas, entre elas, o sargento Rodney, responsável pela segurança da cidade e pela boa vivência das pessoas que lá viviam. Como era uma cidade pequena e todos se conheciam, Rodney ficou um pouco desconfiado no começo. Ele era apaixonado por Lexie há algum tempo, e preocupava-se com um possível envolvimento entre ela e Jeremy.
A princípio ela deixa claro que não queria nada com ele, demorou um pouco para que ela revelasse isso, mas seu passado envolveu dois relacionamentos amorosos fracassados, onde ambos chegaram em Bone Creek, encantaram-na e foram embora. 
Entretanto, a pesquisa para desvendar esse mistério acaba aproximando-os cada vez mais, trazendo para ambos decisões difíceis a tomar.

Assim como em Diário de uma Paixão, uma das críticas feitas garante que ele fará até mesmo o mais cético acreditar no amor. Se for assim, eu tenho um coração de pedra, porque não é uma ficção qualquer que me fará acreditar em contos de fadas como esse, com final feliz e tudo.
Me identifiquei parcialmente com os dois protagonistas, tanto Lexie quanto Jeremy. Me identifiquei com Jeremy, pois assim como eu ele é cético e só acredita naquilo que é comprovado pela ciência e pelos estudos. E me identifiquei com Lexie pois assim como eu, ela estava bloqueada para o amor, e é do tipo de pessoa que se faz de forte, não demonstra quando está mal e prefere ajudar as pessoas que ama com seus sentimentos, a ser ajudada com os seus. Mas diferente dela, eu me controlaria bem mais ao conhecer um homem como Jeremy Marsh, que parece atrair mulheres como um ímã por onde passa. E diferente dela, eu não faço tanta questão de viver eternamente na minha cidade natal, pois ela não é tão boa assim.
Nenhum dos dois acreditava no amor no começo da história, mas nem sentiram quando começaram a gostar um do outro, e quando perceberam, já estavam abalados com o fato de Jeremy ter que voltar para Nova York. 
Esse enredo me fez pensar como seria a minha história caso um dia eu resolvesse acreditar em alguém e realmente funcionasse, como nos livros como esse. Prefiro não criar muitas expetativas com relação a isso, já é difícil para uma pessoa gostar de mim, agora imagina para fazer com que eu corresponda? Haja persistência, hahaha! Não sou estúpida ou arrogante, mas também não me entrego com facilidade, então não seria uma missão tão fácil. Eles só ficaram juntos porque Doris contou a Jeremy que o amor dele era correspondido, se não fosse por isso, já era. Se na história a Lexie fosse exatamente como eu, ele ia desistir rapidinho.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!