#Resenha A Última Música

22 abril 2014


Autor: Nicholas Sparks
Ano: 2013
Editora: Novo Conceito
No ano de 2009, Nicholas Sparks escreveu A Última Música, parcialmente inspirado no comportamento e na personalidade que a atriz e cantora Miley Cyrus possuía.
O escritor visitou a casa da família Cyrus, onde obteve ajuda da própria Miley para criar o nome da protagonista.
Verônica Miller, ou simplesmente Ronnie, é uma adolescente nova yorkina de 17 para 18 anos. Há uns anos atrás seu pai havia saído de casa sem motivo aparente, e a garota se tornou um tanto rebelde desde então. Vivia na rua, já havia roubado, chegava em casa tarde, e andava com péssimas companhias. Ela passou três anos sem conversar com seu pai, e ignorava todas as cartas que ele mandava.
Naquele verão, sua mãe a obrigou a passar o verão na casa de seu pai, juntamente com seu irmão caçula. Ela passou um bom tempo brigando com ele, pois sentia ódio dele por ter abandonado sua família, em uma de suas brigas, ela saiu para passear na praia.
Lá estava ocorrendo um jogo de vôlei, no qual William Blakelee, o garoto mais popular da cidade estava participando, e ao tentar pegar a bola, acabou esbarrando em Ronnie, que acabou derramando sua bebida na própria roupa. 
Um tempo depois, eles foram se conhecendo melhor, e ele percebeu o quanto a garota era diferente das que residiam naquela cidade, pois a maioria era fútil e artificial. À medida que ia baixando a guarda, Ronnie também foi se apaixonando por ele, que guardava um segredo que poderia atrapalhar os dois mais tarde.
Durante o verão, passou por várias revelações e mudanças, além de lições valiosas sobre o perdão e o amor verdadeiro.
No livro, Sparks mantém o hábito de contar várias histórias mescladas em uma, entre elas a história da vida de Steve (o pai de Ronnie), e a filha rebelde. 
Pode-se notar uma repetição de nomes vindos de outros títulos, como Jonah visto em A Última Música como o irmão caçula de Verônica, e em Uma Curva na Estrada como o filho do protagonista Miles Ryan.
A leitura contém um tom levemente calmo e arrastado, porém, com ocasionais diálogos engraçados ou emocionantes entre os personagens.
O livro não condiz muito com o filme, mas certamente conseguirá arrancar lágrimas dos olhos do leitor, esteja ele envolvido ou não com a leitura.
Quando você disser para si mesmo que chegou em tal página e não chorou ainda, pode ter certeza que não falta muito tempo para você começar a se derreter por completo, principalmente se a história fizer com que você se lembre de fatos sobre a sua vida, assim como aconteceu comigo.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!