Tumblr: vale a pena ter um diário?

23 julho 2014




"Vida. Nunca foi fácil. Cresça, aceite isso."


Não sei quantas vezes eu comentei aqui sobre quando eu desisti do blog há dois anos atrás, por motivos de "não combino com ele, e ele não combina comigo", "não sei o que postar", "o layout tá uma merda e eu não consigo arrumar"... todos esses motivos se deveram a uma crise pessoal minha, que sempre existiu na verdade (ninguém precisa saber os detalhes), e que piorou muito naquele ano. Eu não achava emprego e juro que eu ainda acho que o fato de eu ter passado de ano só pode ter sido um erro ou algo assim, porque não era possível: não tinha a menor chance.
Bom, essa minha desistência foi lá em agosto, e em agosto do ano passado eu voltei para a blogosfera, com um nome que sugeria um tema mais livre, que realmente pudesse mostrar qualquer coisa que eu pudesse querer dizer. Que pudesse mostrar quem eu sou, do que eu gosto e o que penso, resumindo, mas sem me mostrar demais porque eu não gosto de deixar as outras pessoas saberem sobre certas coisas.

Dessa vez foi a vez do Tumblr perder uma usuária: eu deletei o meu. 
Eu adorava reblogar coisas que mostravam o que eu estava sentindo, e adorava transformar algumas coisas em poemas. Mas a inspiração foi acabando de novo, e dessa vez sobrou para meus textinhos. 
E mesmo quando eu tinha ideias, comecei a achar ridículo transformar minhas crises e conflitos pessoais em um "quadro de museu", pra todo mundo passar e dizer: "olha que bonito", "olha que lindo", mesmo sem entender absolutamente nada e sem dar a mínima pra isso. Eu realmente detesto expor esse tipo de coisa pela internet. Tentei suavizar isso criando um mistério, um Tumblr anônimo que não mostrava meu nome, mas quem lia aquilo todos os dias sabia muito mais sobre mim do que muita gente, mesmo sem saber meu nome, minha idade ou onde eu moro.
Isso também não funcionou, porque a ideia de transformar meus problemas em algo fútil e banal começou a me incomodar cada vez mais, então eu deletei. 
Mas quem sabe daqui a um ano eu não acabo criando outra conta, do mesmo jeito que aconteceu com o blog? Claro que a situação é diferente, mas mesmo assim, eu sou cheia de fases e estou sempre em uma delas. Elas não costumam ser tão boas e dependendo da intensidade, eu sempre acabo cortando relações, parando de gostar de algumas coisas, e largando alguns projetos. Nem sempre é definitivo, mas na maioria das vezes, é, principalmente quando se trata dos rompimentos.

Quando eu comecei meu Tumblr (não sei nem se foi em 2010 ou em 2011), ele era sobre comédia (mas eu só reblogava porque eu não sabia nada e não tinha muitas ideias, só aprendi a fazer depois que fui me inspirando um pouco e não queria deixar os outros postarem minha ideia por mim, rs).
Não demorou muito pra ele se tornar um Tumblr de textos melodramáticos, sobre pessoas que escondem problemas com sorrisos, por exemplo. 



Eu não falava muito do meu Tumblr, não por querer esconder, mas porque eu não dava importância mesmo. Também nunca liguei muito para asks ou follwers, claro que eu ficava feliz com as mensagens e os seguidores (quando apareciam), mas se não aparecessem, eu não ligava. E não ficava frustrada, irritada ou chateada quando levava unfollow porque o que contava era o prazer de estar lá, mostrando o que eu sentia pra pessoas que se identificavam com isso, mas que eu sabia: não davam a mínima.
Quanto mais o tempo passava, mas viciada eu ficava. E antes que digam alguma coisa, não, nem todo Tumblr é deprimente e melancólico, o meu é um exemplo disso, porque apesar de quase sempre ter sido sombrio, ele começou como um Tumblr de comédia. Inclusive, foi no Tumblr que surgiram aquelas piadas de memes, o uso de gifs engraçados e aquelas frases inspiradoras, antes do sucesso que essas coisas fizeram no Tumblr, o Facebook não tinha a menor graça, sabiam? E lá todos os "unicórnios" (eles se auto-entitulavam assim por piada mesmo), reclamavam que o Face copia o Tumblr, mas eu discordo disso: a origem dessas coisas é do Tumblr sim, mas não é plágio. Alguns postam o que criaram mesmo, só porque ficou bom não quer dizer que eles apertaram "ctrl C e cntrl V".
No Tumblr eu aprendi várias coisas que jamais caberiam em um texto, e vi histórias reais sobre pessoas que lutavam todos os dias contra problemas graves, e outros mais leves (mas que causavam uma dor bem intensa). Conheci pessoas que foram simples passageiras na minha vida, mas que eu não vou esquecer, porque valeram à pena e eu ainda daria conselhos à elas se elas me pedissem.
Lá eu, que já amava escrever (desde as aulas de redação quando pequena), aprendi a amar ainda mais. E comecei a filosofar mais também, pensando em coisas que tinham uma grande relevância, e ainda têm, mas que nem os grandes filósofos resolveram ainda.
O tumblr fez parte do meu processo de amadurecimento, claro, não me considero adulta (até porque com 19 anos isso é meio impossível, né? hahaha), mas eu sou muito mais evoluída do que eu era antes desses dois anos que se passaram. As coisas que eu aprendi vieram aos poucos, de cada problema que me fazia pensar ou chorar durante a noite, para de dia, compartilhar no Tumblr ou reblogar algo parecido.
Isso foi importante, porque eu percebi que não era a única no mundo a sofrer e a se preocupar com certas coisas, e isso fez com que a minha auto-estima levantasse um pouco. Não sei se ainda vai chegar a 100%, mas ela melhorou um pouco, rs.


"Vamos escapar para um lugar que só nos conhecemos."


Eu lembro que eu era bastante elogiada pelos meus textos, e que alguns deles faziam as pessoas virem conversar comigo, pra ver se eu aceitava algum conselho. Outras vinham chorar no meu ombro, e eu tinha o maior prazer de ajudar, porque eu sabia que elas provavelmente não tinham mais ninguém. Elas não chegaram a permanecer na minha vida, mas ficavam bastante agradecidas com o que eu dizia, e isso fazia eu me sentir bem, também. Consegui inclusive alcançar a marca de 5950 seguidores, e eu nem lembro quando começou a aumentar tanto, porque foi muito rápido e pareceu ter sido de uma hora pra outra: eu não consegui acompanhar. Eu não sei nem se isso é muito, porque no Tumblr é mais fácil ganhar seguidores, na própria dashboard quando você se depara com um texto bonito você já pode seguir a pessoa na hora, enquanto que no blogger você precisa acessar o blog da pessoa pra seguir ela, e pra acessar, você precisa acabar conhecendo de algum modo, seja por acaso, em uma pesquisa, por indicação de um amigo ou blog, ou à pedidos do blogueiro mesmo. Se eu chegar nessa marca aqui, com certeza vou valorizar muito.

Claro, não que eu não tenha valorizado os seguidores que eu tinha lá, ou o carinho que eu dava e recebia pra quem precisava de ajuda. Só não fazia mais sentido objetificar meus problemas, e eu não sentia mais a necessidade de receber conselhos. Acho que conselhos não me ajudariam agora, certas coisas eu preciso resolver sozinha. 
Além do mais, prefiro guardar meus segredos e revelações para pessoas que realmente são essenciais pra mim, senão é como se eles se tornassem vazios, fúteis e banais. Eles não seriam só meus, seriam também o show que todos assistem. E é isso que eles haviam se tornado, o que não me agradou nem um pouco, mesmo mantendo o anonimato.

Apesar de todo esse texto explicando porque não vale mais a pena eu ter um Tumblr, eu recomendo muito que vocês criem um, porque ele vai te fazer bem independentemente do seu estado de espírito: se você está bem e feliz, pode seguir Tumblrs de comédia e se matar de rir com piadas que nem se comparam com as que você vê no Facebook. Se você está apaixonado, pode seguir Tumblrs românticos e dividir seu sentimento sem que ninguém descubra o seu nome, pra milhões de pessoas que não vão rir da sua cara e dizer que é besteira (isso porque elas saberão muito bem como é o que você sentindo). E se você também tá sempre cheio de dúvidas que você não gosta de comentar com ninguém, mas ao contrário de mim, sente a necessidade de desabafar, o Tumblr vai se tornar mais especial do que nunca porque ele será o seu refúgio naquelas horas em que ninguém mais te entende.
Talvez você não receba asks, followers ou conselhos. Talvez ninguém sequer te peça nada. Mas só o fato de você poder colocar isso para fora já vai te fazer se sentir bem melhor. 





2 comentários:

  1. Olá,n vou criar nenhum tumblr,mas vou continuar a ler seu blog,haha :),só espero que vc n pare suas postagens.

    ResponderExcluir
  2. @Patrick Marques
    Nem se preocupa, tão cedo eu não vou parar =) Às vezes é meio difícil manter atualizado, mas dessa vez eu não vou largar de mão.

    ResponderExcluir

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!