#Playlist Últimos Vícios

25 outubro 2014


Daqui a pouco eu vou ter que criar um bordão pra início de post, porque é incrível a minha dificuldade pra saber o que dizer a princípio. No outro blog, o Garota Antenada, eu dizia "Hooy Garotas Antenadas", mas depois de um tempo eu passei a achar isso tão patético que eu resolvia ir direto ao ponto, tipo aquela pessoa que nem te dá bom dia e já vai falando tudo o que se passa pela cabeça dela.
Enfim. Agora já introduzi, rs. Vocês já repararam que sempre tem música que repete nas minhas playlists, né? Isso é porque eu tenho uma mania de sempre ouvir as mesmas músicas, mas, ao mesmo tempo, sempre variar o que eu ouço (ou vai dizer que cês não notaram que logo após uma música da Demi Lovato, pode ter Slipknot, por exemplo?). Não sou do tipo que escuta apenas um estilo, eu ouço música de acordo com meu humor, Tem quem goste de playlists variadas, e tem quem não goste, ou acho estranho. Eu no caso, nem ligo, são as músicas que eu tô ouvindo recentemente (rs, desde o dia 10, o que não é tão recente assim, mas...).
Ok, vamos à playlist,

Só não escolha nosso destino porque você não nos conhece, você não nos pertence.- Twisted Sisters.


Se tem uma coisa que eu preciso comentar, é o clipe e a música Chasing Cars. A música seria completamente perfeita se o trecho "Nós não precisamos de nada nem de ninguém", fosse centralizado e direcionado à ele mesmo, e não a uma pessoa específica. Agora olhem isso:

Música - Se eu deitasse aqui, você deitaria comigo e apenas esqueceria o mundo?

Eu - Não. E só pra avisar, se você não sair daí, você vai ser atropelado.

Repare que no clipe, em uma cena ele deita no meio da rua, e na outra, ele deita próximo a uma escada rolante. Cara, levanta, as pessoas vão te pisotear desse jeito, huehuehue. Sei que é só um clipe, e que a ideia era ter sido romântico, mas o que tem de tão poético em deitar no chão com a garota e esquecer que tem um carro vindo na direção deles? 
Ok, eu gosto da música, e o ritmo deprimente dela é perfeito pra quando eu tô mais pra lá do que pra cá no dia, ou quando eu tô cansada, desanimada mesmo. 
Há quem queira criticar a minha ausência de romantismo, mas pra mim tanto faz. Não tem necessidade de você ficar se declarando o tempo inteiro pra quem você ama, nem de ficar fazendo surpresinhas fofas. Isso não quer dizer que se um dia eu namorar, e amar, eu não vá gostar disso. Se eu já amo ele, eu vou adorar, só que se eu e ele ainda não estivermos juntos e eu ainda não gosto dele... isso vai me assustar (ou irritar, incomodar, sei lá, mas eu não vou achar fofo). Porque pra mim sempre vai soar falso, eu odeio expetativas e não vou querer ser aquela ingênua que ouviu a mentira e acreditou nela. Portanto, se um dia eu mudar de ideia sobre preferir ficar sozinha, jamais escolheria pessoas que usam isso pra conquistar outros. Sabendo debater sem brigar, sabendo rir das minhas piadas e me fazer rir, sabendo entender certas coisas, guardar segredo, etc, e estando comigo, tá ótimo. Só que não agora. Tem gente que acha que declarar um tempo pra mim mesma é perda de tempo, desperdício de vida. Pra mim é uma bênção, hahaha. =P Bora desperdiçar a vida assim, então.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!