Superestimação de Ídolos

13 janeiro 2015


Fãs obcecados. Por que tão interesseiros?

Você já se imaginou encontrando seu ídolo na rua? O que faria se encontrasse? Pediria para tirar uma foto? Pediria um autógrafo? Puxaria assunto? Gritaria? Por favor, não grite. Lembre-se: ele é um ser humano assim como você. A fama, o dinheiro e o sucesso dele não o fazem superior a você. Sem falar que assim como você ele tem ouvidos, e esses ouvidos têm tímpanos que vão ser estourados se você bancar o histérico. Segura a onda, please? Finge que é normal? Pelo seu bem e pelo bem dele?

Não estou proibindo ninguém de ser fã e admirar alguém. Você pode acompanhar os vídeos do seu You Tuber favorito, você pode aproveitar as músicas do seu artista ou banda favoritos. Você pode gostar dos filmes e séries da sua atriz favorita. Várias coisas que os famosos dizem podem ser levadas como uma lição de vida, e você faz muito bem em aceitá-las porque isso só vai te acrescentar. Só mantenha os olhos abertos, nem sempre eles têm razão no que dizem, saiba dividir as coisas.
É totalmente compreensível reconhecer o talento de uma pessoa e valorizar sua história de vida, mas não precisa venerar essa pessoa, viver cercada de fotos e objetos colecionáveis dessa pessoa, como se fosse sei lá, um santuário. Isso é doença, viu? Fanatismo em excesso nunca é bom, pra mim chega a ser vergonhoso, você nem conhece direito a pessoa e fica aí, babando por ela. "Ah, eu conheço sim, acompanho ela desde o começo...". Você acompanha o que ela permitiu ser divulgado, ou acha que seu ídolo realmente sai por aí contando a vida pra todo mundo? Ele também estipula limites para desabafar, e sabe por quê? Porque ele é um ser humano, e assim como você, não confia em qualquer um.

Se você ainda não se convenceu, pensa no lado dele. Ser famoso tem seu lado deprimente: quantas pessoas querem fazer amizade com ele porque ele é famoso? Deve ser muito chato, as pessoas não falam com ele porque ele parece ser simpático, elas falam com ele porque nossa, ele é o "Felipe Neto" (por exemplo), ele é famoso, ele tem um canal no You Tube, ele escreveu um livro, ele fez isso, ele fez aquilo... para. Depois eles dão uma patada e ainda querem achar ruim (nem todo mundo tá de bom humor o tempo inteiro, e imagino que deva cansar responder sempre as mesmas perguntas).
Imagina você, que detesta multidões ao seu redor (por serem sufocantes, irritantes e claustrofóbicas), saindo na rua e sendo cercado por um bando de gente histérica querendo sua foto, seu autógrafo e seu rim? Quando seu ídolo reclama do assédio dos fãs ele não está sendo arrogante, ele não está sendo metido, não é um ataque de estrelismo e a fama não subiu a cabeça dele (estou falando isso de modo geral, alguns são metidos sim, mas isso é outra história). Realiza: quem não entraria em pânico se do nada tivesse que enfrentar uma muvuca que, surprise modafoca, tá atrás de você?
foda mesmo é chegar na celebridade e dizer "olha o textinho que eu fiz, o que você achou?", esperando por divulgação, e quando ele não gosta, resolve bancar a criança mimada dizendo que ele é um metido porque ele não se apaixonou pelo seu texto. Eu duvido muito que você divulgaria algo que detestou só porque alguém te pediu, então vê se te controla.
No meu caso, eu ainda nem sei se eu mostraria algo ou não, nunca encontrei com um ídolo e não sou do tipo que sonha acordada, planejando o dia que eu vou ver ele. Não tenho nenhum ídolo, eu posso ser fã de várias pessoas, mas não tem ninguém que eu sonhe realmente em conhecer algum dia, entendem? Não tenho aquela paixão por nenhum deles, isso pra mim não tem a menor relevância. Talvez eu até mostrasse algum texto meu (ou não) se lembrasse de algo que ele fez pra relacionar, talvez, mas não esperaria divulgação nem elogios, apenas ficaria curiosa pra saber a opinião dele. Do mesmo jeito que eu fico curiosa pra saber o que minha amiga achou do meu texto, o que meu colega achou do meu post, o que minha professora achou da minha crônica, etc.

Achou as multidões e as segundas intenções ruins? Some isso ao fato de você detestar tirar fotos que não sejam uma selfie posicionada e editada por você: imagine-se comendo um Big Mac despretensiosamente e alguém tirar uma foto sua bem na hora que o sanduba se desfizer nas suas mãos? E a manchete: mãos de aço, hahahaha. Deve ser uma merda aguentar isso o tempo todo, além do mais, eles não têm segredos, nem privacidade, nem tempo pra respirar... você já discutiu no Face ou no Twitter por besteira? Quem nunca, passa uns dois minutos depois da discussão e você já cansou do assunto. Mas as revistas de fofoca não cansam nunca, se você fosse famoso, em segundos a sua "briga" iria parar naqueles sites do tipo Capricho e Atrevida.

Por isso eu acho ridículo o modo como as celebridades são vistas e tratadas: um objeto de luxo. Elas acabam virando nada mais do que brinquedos, um evento aqui, uma convenção de quadrinhos ali e eles são as principais atrações. E lá vai a manada de babões fazendo as mesmas perguntas de sempre (que já foram respondidas várias vezes, não sei como eles não cansam, se é que não cansam), e querendo tirar fotinho pra botar no Instragram, no Facebook e afins. "Olha, gente, tirei foto com a Fulana de tal". Eu, se tirasse, não teria legenda mais apropriada do que "tô feia mas tô com ela", porque quando a fotógrafa não sou eu a foto SEMPRE fica um cu.  A foto acaba nem sendo pro fã em si, é pros seguidores dele sentirem inveja e só! Porque se não fosse pra se exibir, porque porra ele quis postar a foto na qual ele ficou feio?

Acho que só conversar, falar o que achou de uma coisa ou outra é mais do que o suficiente, pra mim seria como ver o desenho que uma colega fez, dizer que ficou bonito, e só. Mesmo se por dentro eu estiver prestes a ter um colapso nervoso, acho que não cairia um pedaço se eu tratasse a pessoa que eu admiro como gente, não como um "sonho de consumo".



Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!