Perdoe-se

17 fevereiro 2015



Por quanto tempo você já se permitiu corroer pela culpa? Semanas? Meses? Anos? 
Por quanto tempo já ficou pensando no quanto você era horrível? Por quanto tempo já se odiou por sentir certas coisas, ou não sentir nada? 
Muitos de nós passamos por experiências na vida que, consequentemente, podem te levar a vários caminhos diferentes:
Você pode se tornar vingativo, e desejar devolver ao mundo todo o mal que você receber.
Você pode adquirir um certo trauma, um medo de passar pelas mesmas coisas repetidamente, em um ciclo vicioso.
E pode ter medo de fazer outras pessoas sentirem o mesmo que você sentiu. Você não guarda rancor, mas guarda nomes, não é? Você se lembra muito bem de quem te fez sentir o que, de quem te fez aprender o que, contra a sua vontade. E você não quer marcar ninguém da mesma forma, não quer virar a história da triste da vida de ninguém.
Sobre essas pessoas que te marcaram, que tal se em vez de guardar nomes, você guardar lições? Quem te ensinou a ser mais corajoso? Quem te ensinou a ser corajoso, porém, na hora certa? Quem te ensinou a não correr atrás de quem não quer ser alcançado? Essas pessoas podem ter te feito sofrer, mas foram muito importantes na sua vida, porque elas te fizeram crescer também. As decepções existem para que você amadureça. 
É impossível fugir de uma decepção, elas estão ao seu redor, todos os dias. Basta olhar para o lado, e você vai perceber que seu amigo não é o que você esperava. É impossível não se decepcionar. E é mais impossível ainda não decepcionar. 
A pessoa que você supostamente magoou no passado, pode estar melhor agora. Ela pode ter aprendido a lição e no final, você a fez feliz. Mesmo sem estar mais na vida dessa pessoa, você ensinou algo a ela e ela pode estar melhor agora por isso. E se não estiver, não adianta se martirizar por isso. Cada um supera a seu tempo, algumas pessoas são mais frágeis que outras. 

Magoar as pessoas é inevitável. Você não precisa sair por aí pisando friamente em todo mundo, mas não precisa se esforçar tanto pra não marcar a vida de ninguém. Vamos supor que uma pessoa confessa te amar mas não corresponde: você não precisa dar uma patada de gênio. Mas mesmo se você for delicado, a pessoa vai ficar chateada e talvez se pergunte por que não foi o suficiente pra você. 
E adivinha? Ela supera. Assim como você também já deve ter superado muita coisa.
E deve superar também seu medo de magoar as pessoas. De marcar a vida delas. De ser o vilão, ou a vilã.
Entenda que, mais importante do que ser perdoado pelo outro, é perdoar a si mesmo. Todos cometemos erros. Nós  aprendemos e continuamos vivendo. Acrescentamos no nosso arquivo de experiências. É assim que nós aprendemos.
Você só conseguirá viver em paz se entender esse conceito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!