Se algo te incomoda, fale

24 março 2015


Faz algum tempo, eu estava lendo Nietzsche para Estressados, e uma de suas 99 filosofias dizia para não ficar calado quando alguma coisa te incomodar. Ele usou o seguinte exemplo:

Em um casal, o homem esqueceu o aniversário da mulher. Querendo pagar na mesma moeda, sua esposa resolveu dar a ele um tratamento de gelo, não falou com ele por dois ou mais dias, dando a ele de volta a sua falta de atenção, quando não passava de um simples esquecimento. Isso pode gerar uma briga: ele se estressa com o vácuo, começa a reclamar, e tudo se transforma em uma DR enorme, sendo que ela podia apenas dizer: "Ah, sério que tu esqueceu do meu aniversário? Eu lembrei do seu, por que não tentou lembrar do meu?". 

Não foram exatamente essas palavras que o autor usou, mas é isso o que tava sendo explicado no livro. 
Realmente, reprimir a própria reclamação pode te levar à loucura. Imagine-se na pior semana da sua vida, sendo assaltado, roubado, ouvindo desaforos e ficando calado em todas essas situações, apenas tentando pular a parte do drama e partindo pra solução? Sei que parece mais racional, mas não é. Alguma hora a corda que você está segurando vai arrebentar e você vai explodir por besteira. Tipo, chegar em casa e perceber que não tem mais café. Aparentemente foi isso que te fez estourar, mas pense: isso te faria explodir se você não tivesse se reprimido em diversas outras situações? Provavelmente não, porque não haveria nenhuma raiva acumulada dentro de você. 
Isso não significa que você deva apenas reclamar e não fazer nada, mas aqueles minutos que você passa resmungando podem impedir que você surte posteriormente por quaisquer outros motivos. Depois que já tiver reclamado, ou pirado levemente (levemente, ok? não precisa quebrar nada), respire fundo, pense e resolva.

Agora vamos analisar outra coisa, que não foi citada no livro e não tem a ver com evitar estresse (na verdade tem, só não estarei centralizando isso):
Você gostaria de, por exemplo, fazer algo que incomode alguém e a pessoa não te falar? Eu, pelo menos, quero que as pessoas sejam sinceras comigo. Sei que não sou paciente, mas também detesto mentiras. Não me sinto bem fingindo estar feliz com uma pessoa, sendo que o comportamento dela faz com que sua existência me irrite. Mais cedo ou mais tarde eu vou acabar falando.
E também não me sinto bem fingindo perdão. Se uma pessoa me decepcionou a ponto de eu esfriar completamente, não adianta. Pode ser mero drama, mas eu não consigo mais andar com essa pessoa e chamar ela de "melhor amiga(o)" ou de "amor". Eu digo sim, reclamo sim, e me afasto se for o caso. Por mais que magoe, eu é que fui magoada primeiro e não dá pra mudar isso, mesmo se o motivo for pequeno. Mesmo se você tiver passado por coisa pior. Ser falsa, pra mim, é pior do que ser sensível e me incomodar com pouco, ou ser grossa e não medir minhas palavras (o que não é uma qualidade, mas é pior do que enganar).

Só imagina o seguinte:
Eu cometo um erro, peço perdão (se bobear, ainda peço chorando feito uma pateta), e a pessoa sorri, me abraça, diz que tá tudo bem, que não precisa se preocupar. Mas no fundo ela tá com raiva e não tá tudo bem porra nenhuma. Não faz isso. Você não tem que ter pena de dizer que não me perdoou, e vê se deixa de ser idiota em querer se vingar com falsidade. Se eu fui sincera, você vai ter que ser sincero(a) também, doa a quem doer, porque se eu descobrir que fui enganada, não vou ter vergonha nem pena de sumir da sua vida. Pouco importa se tudo não passar de drama da minha parte. 
Não tenho bola de cristal pra adivinhar que o que eu fiz te incomodou, então não exija que eu leia sua mente e adivinhe tudo. Ser sincero não mata e adivinha? É de graça.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!