O amor é banalizado ou idealizado demais?

21 abril 2015


Quantas vezes na vida já não reclamamos do quanto as pessoas conseguiram transformar o amor em algo extremamente fútil e vazio?
Namoros que só servem para mudar o status do Facebook (e tirar muitas selfies), flores que servem apenas para decorar a casa, declarações e frases românticas que são ditas apenas da boca para fora... não sei, às vezes tudo me parece vazio. Até mesmo a declaração de amor mais romântica ever acaba parecendo superficial, aquele tipo de coisa que você vê em filmes americanos direcionados ao público adolescente, que fazem sua garota de quinze anos interior pensar "que lindo!", mas que olhando bem, é totalmente bobo e quase nunca é feito na intenção de ser levado a sério. Apenas mais uma distração para tirar o seu tédio no domingo, mas no final do filme, em vez de animada ou emocionada, você está amargurada, pensando: "porra, por que eles fazem esses filmes surreais só pra gente ficar assistindo e se perguntando por que a vida real não é assim?". 
Então você percebe que essa sua lamentação acaba "fechando" com o tema daqueles filmes, ou com as séries bobas nas quais você é viciada em assistir. Isso te frustra? Isso te incomoda? Ou isso te faz pensar?

E se na verdade, quem idealiza as coisas demais é você? Tudo tem que ser perfeito, tudo tem que ser romântico, mágico e lindo. Sua vida tem que ser exatamente como naqueles filmes com final feliz, ou melhor ainda: os livros. ♥
Mesmo quando no final você não fica com o garoto que você ama, não termina a faculdade dos seus sonhos, não resolve todos os seus problemas, o roteiro do seu filme "incrível" te faz refletir, aprender, e seguir em frente, renovando-se com o tempo. O que lhe parece muito bom para ser mencionado em um texto, não é? Tem coisa melhor no mundo do que histórias de superação?

Mas por que isso é tão superestimado? Por que isso não pode ser simplesmente normal e rotineiro? Pra falar a verdade, isso é normal e rotineiro. Acontece com todo mundo o tempo inteiro, e nesse exato momento, uma pessoa no outro lado do mundo está dizendo "sim" em seu casamento, enquanto outra pessoa está decidindo de uma vez por todas declarar um "foda-se" pro garoto que não merece ela e simplesmente tocar a vida. São coisas absolutamente normais, mas nós transformamos no nosso livro pessoal, sempre com um pouco de poesia no meio e frases de efeito. Será que toda mulher tem esse fundo romântico, por mais grossa que pareça por fora? Ou será que os homens também têm? Ou será que isso se aplica apenas a um seleto grupo de pessoas ingênuas e inocentes, independente do gênero?

E quando foi que isso tudo começou? Como eram essas coisas há inúmeras décadas atrás? As pessoas davam essa suprema importância para o lado poético da vida, ou elas simplesmente não ligavam pra isso e apenas viviam de qualquer jeito, sem dar a mínima para o que era fofo ou não?
Vai saber. Talvez estejamos enganados sobre o passado.

Precisamos saber mais sobre o presente: o amor é idealizado demais ou banalizado demais? Ele era lindo e foi apodrecido, ou não era nada e foi subestimado?
Lógico que é um sentimento ótimo de se sentir, principalmente quando é recíproco. Mas por que algumas pessoas o futilizam tanto?

É... o mais provável é que ele tenha sido estragado mesmo. Não é sempre que isso dá certo, e não é sempre que dá errado. Cada caso é um caso. 
Apenas pense por um segundo quantas pessoas no mundo têm medo de criar expectativas, de acreditar no amor ou em palavras românticas... eu mesma confesso que no fundo eu sou extremamente sonhadora e melosa, e que eu acharia lindo me apaixonar, ser convidada pra ir num parque de diversões com ele, e quando estivéssemos em uma roda gigante, ele apontasse pra baixo e tivesse algumas pessoas segurando um cartaz enorme dizendo: "Eu te amo. Quer ser minha namorada?".
Mas se eu recebesse de verdade, isso me assustaria, e no dia a dia eu acho isso piegas, chato ou até irrritante (nesse exato momento estou começando a achar chato, aliás).
Eu simplesmente não tenho toda essa confiança no ser humano, não quero ser tão pessimista, estou lutando contra isso, mas quando se trata de pessoas é complicado. Como saber quem é quem? Como saber se é verdadeiro ou não, se vale a pena ou não dar um voto de confiança?

Talvez seja justamente essa vulgarização do amor que cause esse tipo de insegurança, esse medo de ser a trouxa que acredita em fadas e unicórnios que muitas pessoas nutrem dia após dia. E se acham fodas por causa disso. Mas não são, mal sabem elas mas lutar contra o amor não é força, e sim, fraqueza.
Sim, decepções acontecem e elas tendem a ser mais profundas se nos entregarmos demais a alguém.
Mas imagina quantas coisas na vida você não deve ter perdido por medo de se decepcionar ou de ser trouxa? Você prefere o seu orgulho ou a sua felicidade?

Conclusão final? Sim, o amor foi banalizado pra caralho por muita gente.
Mas isso precisa mesmo interferir nas decisões que você toma?
Tire sua conclusão sobre isso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!