Saga Divergente ♥ | #MaxiResenha

10 abril 2015


Alguém aí curte Divergente? Eu não havia feito resenha porque ainda não li Quatro, da saga Divergente. Ao terminar a saga, comecei a ler Maze Runner (estou na metade do terceiro livro, inclusive), e no meio do meu expediente de trabalho fui descobrir que tem mais esse (trabalho em um mercado e vi o livro lá, okay? okay piadinha escrota sobre a atriz do filme). Porém, quis resenhar logo pra poder falar do filme Insurgente, sem passar muito da data.
Vou tentar explicar o livro: antes da existência do sistema de facções, a paz era apenas um sonho ingênuo de todas as pessoas, pois o ser humano possui uma tendência a ser violento, agressivo, etc. Para combater isso, o mundo fôra dividido em cinco facções: abnegação (facção inicial da Tris), Audácia (facção que a Tris escolheu, depois eu explico isso, rs), Franqueza, Amizade e Erudição. Essas "cidades" eram divididas e categorizadas de acordo com os talentos e a personalidade das pessoas que viviam nelas. 
 Quem vivia na abnegação, jamais deveria ser egoísta e deveria sempre pensar no bem alheio antes do de si próprio. Quem vivia na Audácia, deveria sempre ser corajoso e se arriscar em prol da proteção alheia (ok, essa era a ideia, mas a maioria só se arriscava pra pagar de fodão mesmo), quem era da Franqueza jamais deveria mentir, ser sincero era lei. Quem era da Amizade deveria ser sempre simpático e meigo, e quem era da Erudição, deveria ser inteligente e culto. Acho que os nomes são auto explicativos, né? Mesmo assim eu quis dizer.
Ao nascer, cada um participa da mesma facção que sua família (lógico), e em determinada idade, todos participam de um teste para descobrir a qual facção realmente pertence. 
Ao fazer o teste, Tris descobriu que era apta para mais de uma facção, sendo estas: erudição, audácia e a outra eu não lembro (risos), e isso fazia dela uma divergente.
Porém, ela foi avisada de que não deveria revelar isso a ninguém, pois isso era perigoso para ela.

"O que te faz diferente, te faz perigoso"

Saga Divergente

A partir dessa parte, fiquei me perguntando a qual facção eu faria parte se vivesse naquela história, e não parei mais de pensar nisso. Ao fazer este teste, descobri que sou divergente. ♥ E não posso ser controlada, hahaha.  Amei essa frase, confesso que sempre uso ela pra ficar zoando. Tipo: meu cabelo é divergente e não pode ser controlado.
 Fiquei toda alegre pelo resultado e parecia até que a saga era real. Sim, sou idiota a esse ponto. =P


O primeiro filme foi meio fraco, na minha opinião, mas ainda assim eu curti ele. Não tenho muito a comentar sobre ele, acho melhor vocês assistirem e falarem por si mesmos.

Eu simplesmente amei a saga, simplesmente porque amo protagonistas feministas que esfregam na cara da sociedade que a mulher pode sim lutar bem pra caralho (apesar do que aconteceu com a Tris, que eu não vou contar pra não dar spoiler).
A única crítica que eu tenho a fazer à saga é que ela é repleta de cenas melodramáticas, o que não combina muito com o tema de aventura e revolução que ela possui. E o final que a Tris teve de início não me agradou. Porém, enquanto escrevia esse post, repensei: por que isso tem que "ferir" meu feminismo? Sim, a mulher pode ser forte, pode ser foda (e ela é), porém, isso não a obriga por lei a ser invencível só pra provar isso para o mundo, e a Tris arrasou na história inteira, vamos combinar, né? 
Vish, acho que já deixei o spoiler implícito... desculpa.


Cara... Melhor filme! ♥ Até agora, pelo menos.
Sério, simplesmente amei, não é a toa que tudo quanto era site tava elogiando ele. Eu demorei um pouco para ir por causa da minha carteira, e fui sozinha mesmo, mas não me arrependi nem um pouco.
Fiquei até ansiosa na fila da bilheteria, rsrs, e quando entrei na sala do cinema ainda faltavam 45 minutos para o filme começar. Eu queria ter visto legendado para ouvir a voz da Shailene, mas começava depois das nove da noite, e é meio perigoso andar sozinha no centro de noite (lembrando que eu não sou a Tris e não tenho habilidade nem pra jogar futebol direito). Só tinha dublado, PORÉM, assisti em 3D. Grandes coisa, só fez diferença nos trailers, e durante o filme a imagem ficou até meio desfocada às vezes, e eu não sabia se era o óculos que tava embaçado ou se 3D era uma bosta mesmo e não é tão foda quanto dizem. =/
"Ai, Amanda, 45 minutos antes? O que cê ficou fazendo sozinha no escuro hein, safadinha?". Como eu disse, estou no terceiro livro de Maze Runner, mas como não o achei em livraria nem sebo nenhum, baixei em PDF. Parece meio estranho ler Maze Runner pouco antes de assistir Insurgente... mas não dá nada.
Quando apareceu o logo da Paris Filmes, meeeu Deus, hahaha. Se nessa hora já me empolguei toda, imagina nas cenas de luta e ação? Era tipo: "faça o que fizer... seja silenciosa, porque tá escuro mesmo e ninguém vai ver você balançando as mãos feito uma belieber".
Não esperei que fosse tão perfeito, mas realmente, Insurgente tem muito mais cenas de luta que Divergente, e eu recomendo muito. 
Detalhe que além de mim, só tinham mais uns 3 casais e um grupinho de amigos no cinema, portanto, sentei de um jeito politicamente incorreto, com os pés encima da cadeira da minha frente (minhas pernas agradecem). Só Deus pode me julgar. E daí? Eu sou divergente e não posso ser controlada u.u

O final do filme foi muito foda: "você não vai saber", e PÁ. Morreu. 
Mas me corrijam se eu estiver errada: que eu saiba, a Jeanine não havia morrido nos livros, né? Se bem que ela só levou um tiro na cena, não quer dizer que tenha morrido...
Se eu não me engano, nos livros ela ficou viva e guardava uma informação que todos precisavam. Mas não apenas não lembro qual, como também não sei se tô certa (sério, eu tenho uma péssima memória, se bobear daqui a alguns anos não consigo nem resumir a saga).

Não, ele não é fiel ao livro e tem muitas coisas diferentes além dessa que eu mencionei, mas pela primeira vez achei melhor que fosse assim. "Ah, como assim, Amanda? Vai dizer que o filme é melhor que o livro agora, na cara dura?". Vou, por incrível que pareça (nunca pensei que eu fosse dizer isso). 
Como eu disse, minha crítica aos livros é dada às cenas dramáticas: a Tris chorou durante praticamente a saga inteira, mas no filme ela foi mais brava, mais corajosa e eu gostei disso. Combinou mais com o tema "aventura" e as cenas de luta, pra mim, compensaram toda a infidelidade.

Aah... reza a lenda que Convergente- Parte 1, estreia no cinema em 2016... será que é verdade? 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!