#642Coisas | E se eu não tivesse partido?

20 maio 2015


143. Onde você estaria agora se você tivesse casado com seu primeiro amor?
E se eu não tivesse partido? Mas os sonhos falaram mais alto, o orgulho falou mais alto, o desejo de ser independente e livre falou mais alto. Eu fui, você ficou. E uma parte de mim ficou com você: aquela parte romântica, que amava trocar mensagens na madrugada, que adorava surpresas bonitas e citações melosas que qualquer solteiro amargurado detesta.  
Eu me tornei um deles.

Fui tola. Os dias eram iguais, a rotina me consumia. Eu sempre a detestei: o dia seguinte sempre seria uma cópia do hoje, assim como o dia de hoje era sempre uma cópia do dia anterior. Eu gosto de novidade, eu gosto de mudança. Eu precisava de mudança, pelo menos era o que pensava. Acontece que os dias eram tão iguais que me pareciam vazios, banais. E no final, eu me sentia vazia também. Você não notou, mas não te culpo: eu mesma não deixei. Nunca gostei de colocar meus problemas em uma vitrine, eu pensava neles em solidão e os resolvia sozinha. Sempre foi assim. Sempre será assim. Porque eu sou assim.

O tempo passou e agora eu penso: e se eu não tivesse partido? Teríamos casado, posso ter certeza disso.
Teríamos um cachorro, ou dois. Nada de filhos por enquanto. 
Éramos jovens, e sempre fomos contra o casamento precoce, mas esperaríamos até termos nossos +20. Nós estudaríamos juntos, entraríamos na mesma faculdade. Cada um com sua escolha, cada um com seu desejo.
O tempo passaria, porém, continuaríamos agindo como um casal de adolescentes em começo de namoro.
Nós seríamos felizes juntos, nós viajaríamos juntos. Veríamos as mais belas praias, os mais belos campos, as melhores florestas. Iríamos a safáris, desceríamos em tirolesas. Gritaríamos. Descobriríamos o mundo juntos, e desvendaríamos nossos próprios seres.
O vazio se dissiparia com você ao meu lado, iria embora junto ao vento que bateria em meu rosto. Você daria risada do meu cabelo desgrenhado, e eu te lembraria de que o seu não é melhor. Você me chamaria de idiota, e eu ficaria feliz. Pois seria a sua idiota.
E nós poderíamos estar em qualquer lugar agora. Poderíamos estar dormindo juntos em uma pousada de Bariloche, agarradinhos para protegermo-nos do frio. Poderíamos estar andando a cavalo no Tenessee, poderíamos estar jogando água um no outro, em uma praia qualquer de um país qualquer.
E em qualquer lugar que estivéssemos, nosso amor estaria conosco, e o vazio? Ele não estaria mais lá.

Esta história foi inventada no intuito de preservar a minha privacidade e a privacidade das pessoas com as quais me relacionei. Não me contento apenas em trocar nomes, e possuo a preferência de manter o meu sigilo.------------------Este post faz parte do desafio 642 Coisas sobre as Quais Escrever, quem estiver interessado em participar, basta acessar a página do facebook clicando aqui.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!