Saga Maze Runner

07 maio 2015


Alguém já leu Maze Runner? Ela é apenas uma das melhores sagas que eu já li, pelo simples fato que ela simplesmente foge daquele clichê de tudo dar certo para os protagonistas, final feliz e tal.
Mas antes de opinar a respeito, vou fazer o resumo do primeiro livro, pelo menos.

Thomas é um menino maroto... tá, parei de imitar o locutor da Sessão da Tarde. Vamos ser sérios agora.

Como você se sentiria se, do nada, você se visse em algo que lhe parece um elevador caindo? Não muito calmo, né? É assim a primeira cena do primeiro livro da melhor saga ever. 
Ao aterrissar, ele está tão perdido quanto cego em tiroteio, não faz a menor ideia do que está acontecendo, não sabe onde ele está, quem são aqueles caras ao redor dele, e a única coisa da qual ele consegue se lembrar é do próprio nome. 
Ele faz perguntas o tempo inteiro na tentativa de descobrir como todos foram parar lá, mas ninguém sabe de nada, sem falar que os outros não fizeram tantas perguntas, e é justamente essa curiosidade que o torna diferente de todos os outros e acaba atraindo suspeitas de alguns clareanos (que é o nome dado aos moradores daquele lugar, conhecido como clareira dããhr). 


Logo ao entrar, uma das coisas que mais chamou a atenção de Thomas foi o labirinto, o qual é trancado por um portão enorme para protegê-los dos verdugos: criaturas enormes com uma textura de lesma e pernas metálicas como as de uma aranha. Só quem pode entrar lá são os corredores (mas ninguém tem permissão para adentrá-lo durante a noite, pois este é o "horário de pico" dos verdugos e por causa disso ninguém nunca sobreviveu a uma noite lá dentro): eles são responsáveis por tentar montar os mapas, na tentativa de encontrar a saída do labirinto e assim, ajudar os clareanos a sair daquela clareira. Porém, a ordem do labirinto muda toda noite, e todos podem ouvir os ruídos de quando isso acontece. 

Apesar de ser repetidamente avisado do quanto aquele lugar é perigoso, Thomas não consegue tirar da sua cabeça a vontade de ser um corredor.

O sistema deles era esse: todo mês vem uma caixa (nome dado ao elevador que eu mencionei no começo do post), trazendo mais um clareano e suprimentos para que eles possam se alimentar. Eram todos homens.
Porém, enquanto ele vai fazendo as perguntas dele e tentando descobrir mais sobre a clareira, o labirinto e como todos foram parar ali, uma garota des-maiada é trazida para a clareira. Na mão dela havia um bilhete escrito "eu sou a última", e todos constataram que ela estava morta até que ela acorda de supetão dizendo "tudo vai mudar", e volta ao coma (no qual permanece por um bom tempo).
Todos ficam apavorados com a gravidade dessa mudança, um dos motivos era porque como ela era a última não viria mais ninguém, e isso significava que eles também não receberiam mais alimentos. Se eles não descobrissem a saída do labirinto, todos morreriam de fome, mas ninguém conseguia desvendar aquela mértila (sim, mértila: era uma das gírias que eles usavam na clareira e significava merda , plong também significava merda por parecer com o barulho que ela faz ao atingir a água do vaso sim, eu sei que é nojento, não fui eu que escrevi o livro, e trolho era um sinônimo para babaca, imbecil, lesado, etc, a minha favorita é cara de mértila, e o significado já foi dito então não irei repetir).
Um detalhe importante que não apareceu no filme: essa garota que entrou chama-se Teresa, e ela possui o poder de conversar telepaticamente com Thomas (sim, ele também sabia fazer isso mas demorou um pouco para "pegar a manha").

Sobre o filme: eu amei as cenas de ação, mas não acredito que eles não botaram o poder de telepatia da dupla Thomesa! Esse é um dos detalhes mais importantes do livro, como eles vão encaixar isso nos outros filmes? Quero só ver...
E outra: vi esse filme sendo classificado em algum lugar como Terror. Oi? Não acho que a saga seja de Terror, não há nada que faça você se sentir perturbado durante o filme (a não ser que você tenha cinco anos, o que não é o caso). Pra mim, tanto o livro quanto o filme são de ação e aventura, mas não de terror. "Ah, mas tem os verdugos". Em Harry Potter também aparecem vários monstros e mesmo assim o filme não é considerado assustador. "Ah, mas eu dei vários pulos durante o filme". Também tive alguns mini ataques cardíacos assistindo Insurgente (tipo aquela cena em que o Quatro pula na frente do trem em movimento e parecia que ele ia ser atropelado), mas eu também não acho que seja de terror.
Agora um pedido: LANCEM LOGO O TRAILER DE A PROVA DE FOGO, PELAMOR DE DEUS???? Brigada...


Não irei falar muito além disso e nem resumir os outros livros, pois estarei dando spoiler e eu me sinto uma vaca quando eu faço isso (mesmo avisando e colocando o link de "continue lendo").
Só posso dizer que a história desses personagens já termina em A Cura Mortal. O livro Ordem de Extermínio serve para voltar no passado quando o Thomas e a Teresa ainda não existiam, a fim de explicar mais ainda a história. E no livro Arquivos, a história é contada a partir do ponto de vista do Cruel. "Ah, mas que Cruel?" LÊ O LIVRO, CARA DE MÉRTILA! Brincadeira, hehehe.

Posso dizer com toda a certeza que esse foi um dos melhores livros que eu já li, eu só não coloco em primeiro lugar porque ainda estou hipnotizada pela frase "eu sou divergente e não posso ser controlada", e não tenho forças para esnobar a Katniss e seu fogo no rabo (não, pera).
Mas se tem uma coisa que samba na cara das outras sagas é o triângulo amoroso: ele não é tão enfatizado assim na história, mas é bem original. Em Crepúsculo, a Bella estava indecisa entre Edward e Jacob (não, eu não gosto da saga, é apenas um exemplo), em Jogos Vorazes, Katniss era disputada por Peeta e Gale, porém, em Maze Runner, quem fica indeciso é o...? THOMAS! Isso mesmo, dessa vez quem fica confuso e cheio de perguntas sobre quem presta e quem não presta não é a mocinha da história, e sim o herói fortão. RÁ! E as candidatas são, tchan tchan tchan tchan... Teresa, parceira de telepatia, e Brenda, garota que só aparece no segundo livro porém chega pra causar (quem leu sabe porquê).
E tem outra: se você, fã de divergente está reclamando que morreu muita gente nos livros, quero só ver a sua reação ao ler Maze Runner... eu tô falando sério, eu se fosse você jamais me permitiria apegar a nenhum personagem ou "ship", pois você corre o risco de ver o seu amadinho morrer brutalmente... spoiler implícito? Talvez, entretanto é meio difícil opinar sobre a saga sem acabar contando nada.
Mas acredite: quem leu sabe muito bem o quanto eu peguei bem no spoiler (ainda mais no quesito morte de personagens queridos).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!