Essa é pra você que odeia textão

18 junho 2015


Uma vez eu vi uma blogueira dando dicas sobre blogs, ela era bem famosa digamos (ainda é). Uma das dicas era sobre postagens, e dizia para não fazer textos muito longos, e se fizer, usar o máximo de imagens possível. Senão se tornava uma leitura cansativa, e as pessoas ficariam com preguiça de ler.
Detalhe: ela aparentava ser viciada em livros. Então me explica: como uma pessoa que lê livros de 500 páginas pra cima pode ter preguiça de ler a porra de um texto? 
"Ah, se coloca no lugar do leitor". "Sou uma pessoa lendo a resenha de um livro, tentando decidir se compro ou não. O que eu sei é que o livro é grosso, tem mais de 800 páginas. Ok, beleza, vou dar uma olhada pra ver se vale a pen... ih, caralho, que texto longo! Não vou ler isso tudo!". Faz sentido isso? Acho que não, né?

Blogs são feitos pra escrever, então se você entra em um blog esperando ler o menos possível, o negócio é simples: não leia blogs.
Sabe-se que uma pesquisa feita estimou que o brasileiro lê no máximo 4 livros por ano. Eu leio bem mais de 10 por mês, se estiver disposta. Mas sempre mais de 4, com certeza. 
O brasileiro já é acomodado e preguiçoso, nota-se que ele lê pouco. Pra quê piorar a situação? Pra quê acomodar mais ainda? Talvez seu blog cheio de textos enormes não te tragam muitos leitores, mas os que você tiver, prefira que gostem de ler. Não queira que os fãs do seu blog sejam aqueles que você acomodou. Não queira fãs mal-acostumados, que não gostam de aprender, que não querem pesquisar. Porque quando você parar de zoar pra falar de um assunto mais sério eles vão te encher o saco. 
Queira ser autêntico e sincero. Queira se expressar, queira dizer o que pensa, queira ser você mesmo! E se você precisar de um textão pra isso, as pessoas que se acostumem a ler com mais frequência.
Sinto muito, mas um texto resumido é um texto pela metade. Quando você remove os detalhes, sejam eles engraçados ou mais sérios, você está removendo uma parte de si mesmo do texto. 

Não faça textos pensando apenas em quantas pessoas vão ler, faça textos pensando no que você quer que as pessoas vejam, não importa se forem duas ou duzentas. Você quer que essas pessoas leiam o texto inteiro ou apenas a pequena parte que você disponibilizou? Quer que elas te aceitem como você é, ou a pequena parte que você mostra? 

Agora, se textos longos te incomodam tanto assim, não tem problema. Eu te indico uns livros, livros que combinam com a sua personalidade e o seu gosto refinadíssimo para leitura:


Cultura pura, né? Mas cuidado, talvez eles sejam longos demais pra você.

Não sei se quem está lendo esse texto é blogueiro também, e se for, não sei do que o tal blog se trata. Não sei qual é o objetivo. Mas no meu, o objetivo não precisa ser apenas um: gosto de fazer as pessoas rirem, por isso eu sou debochada até mesmo em assuntos sérios, às vezes. Gosto de ser autêntica e falar o que penso, por isso escrevo tantas críticas. Acho importante incentivar a leitura, a pesquisa, o aprendizado. O interesse por sociologia, política, história e etc. Gosto de ensinar quem lê, e aprender com quem me corrige também, porque todo mundo erra de vez em quando e eu também estou sujeita a isso. São bons motivos pra escrever críticas. 
E gosto de tentar ser positiva, de incentivar as pessoas a gostarem de si mesmas e a não desistirem. A serem fortes, persistentes e determinadas. Não sinto essa necessidade de escolher entre ser positiva e ser crítica, porque reclamar nem sempre é ruim. A realidade não é 100% boa, e falar sobre assuntos polêmicos não carrega apenas o risco de levar esporro nos comentários. Isso carrega também a possibilidade de aprender alguma coisa nova, e importante. Ainda mais em um país cheio de políticos corruptos tentando te acomodar pra você não querer saber do que se passa em Brasília.
Se você reclama de textões, cara... está dando a cara a tapa pra eles. Está deixando eles te roubarem. Talvez esse texto não te ajude a revolucionar o país, mas pelo menos queira saber o que está acontecendo e queira fazer alguma coisa por si mesmo. Faculdade, cursos, intercâmbio, essas coisas são importantes. Se você deixar, um simples texto te ensinando a gostar de textos pode te fazer conseguir isso tudo. Pode te deixar mais firme e decidido. 

Viu? Os textões têm sua importância.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!