Parceria Feminista: Até que Ponto isso é Necessário?

25 julho 2015


Feminista ou não, você já deve ter presenciado muitos debates sobre o feminismo (principalmente no Facebook).
Em muitos desses debates, é usada a seguinte linha de pensamento: "Se diz feminista, mas volta e meia fica chamando a amiguinha do namorado de piranha por causa de ciúme, diz que é a favor da liberdade, mas usa puta como xingamento à outra mulher? Nós, feministas, temos que permanecer unidas e blá blá blá".
E ok, eu não discordo disso. E sim, eu sou a favor da liberdade para ambos os sexos: se está solteiro, aproveite como achar melhor, seja em baladas frequentes, ou com leituras frequentes, ou com os dois! Por que não?

O que me refiro é o seguinte: até onde vai essa parceria entre as feministas? Temos de concordar com tudo o tempo inteiro, caso contrário somos inimigas? Temos que passar a mão na cabeça uma da outra sempre, nunca discordar de nada?
Parece ridículo imaginar isso, mas às vezes eu tenho a impressão que é assim que funciona para algumas feministas. 
Querer privar a liberdade alheia é ruim, mas e se eu for do tipo caseira, que prefere ficar em casa comendo porcaria e vendo filmes? E se eu achar que baladas e pegação não passam de futilidade, de busca por status? E se eu sentir raiva de todo mundo que tenta me arrastar para fora de casa contra a minha vontade, e uma dessas pessoas for uma garota? Estou sendo menos feminista por ter me irritado com ela? Estou sendo menos feminista por achar que tem coisas mais importantes na vida do que isso, como estudos e trabalho, por exemplo? Quer ir em balada, vá, mas se organize pra isso não te distrair demais. E cara, seja solteira se os seus planos são pegar vários.

Agora vamos supor que eu falei mal de uma amiga por um motivo ou outro: sou menos feminista pelo simples fato de ter tido motivos pra falar mal de alguém? Desculpe, mas se os homens tem seus defeitos, as mulheres também têm. E ambos possuem o hábito de falar das pessoas de vez em quando, uns mais, outros menos, mas a fofoca não é um mal exclusivo do universo feminino.

E se eu disser que mulheres também iludem, também traem e também mentem? Provavelmente você vai rebater com o seguinte argumento: "ah, mas ela estava confusa, foi um momento de fraqueza, a culpa não era totalmente dela...". Era, sim. Até porque quando o homem trai ele é o canalha, agora, se a mulher trai, como ela pode querer se manter no papel da vítima? Você fez merda, querida, assuma de uma vez e esqueça o pódio de dona da razão, porque razão você não tem. 
Se você quer direitos iguais, entenda que nem sempre isso será um sinônimo de benefícios para as mulheres. Esses direitos iguais podem acabar com essa sua mania de se fazer de vítima mesmo quando você não é. Trair e dizer que estava indecisa, que estava mal? Nunca mais! 

Garotas que esnobam existem também. "Ah, mas se ela tá sendo grossa é porque alguma coisa ele fez, ah, mas nenhuma mulher é estúpida e fria sem motivo". Talvez. Ou vai ver ela é escrota, mesmo. Não adianta inventar desculpa, nem toda mulher é do tipo que morre de medo de magoar os outros. Do tipo que se magoa alguém, nunca é por querer ou sem sentir arrependimento. Muitas podem não ter como objetivo de vida cagar com a sua vida, mas elas também estão pouco se fodendo se te fizeram algum mal. 

Ninguém tem a obrigação de apoiar as merdas que você faz na vida só pra dizer que é feminista. Nem sempre uma amiga deve concordar com você, às vezes ela tem que te dar um puxão de orelha, sim.
E nem toda feminista precisa ser amiga, porque não existe essa coisa de gostar de todo mundo. "Ain, ela é feminista, vamos ser amigas pra sempre". A tal feminista pode ser uma vaca também, todos estamos sujeitos a erros, ninguém é perfeito e perdoar nem sempre é fácil.
Então, se pra ser feminista você é obrigada a ser amiga de todas as mulheres e nunca criticar nenhuma delas... ninguém é feminista, feminismo não existe, cabou a luta. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!