Pense do jeito Certo

23 julho 2015


"Pensar demais te faz desistir". Essa frase foi feita por um acomodado à procura de uma desculpa para fazer as coisas de qualquer jeito, procurando o jeito mais fácil ou o atalho mais rápido.
Ou talvez tenha sido feito por um cagão que tem medo da própria mente.

O fato é que pensar não te faz desistir se for feito da maneira certa. Pensar nas consequências caso faça uma escolha errada não é um erro, é apenas um modo de evitar futuros erros.
Planejar a vida não é errado, elaborar estratégias e táticas, não é errado. Ter um plano B, estar sempre preparado para possíveis falhas, não é errado.

Você precisa de duas coisas: 
1. Saber o que quer.
2. Aprender a pensar.

Em vez de pensar de maneira acelerada, fique tranquilo: leia um livro, ouça uma música calma, tome um chá de hortelã com laranja (sério, recomendo). Vá devagar, não pense de uma maneira que possa te deixar nervoso, senão aos poucos você irá acumulando medos irracionais. Irá se deparar com uma lista enorme deles, até perceber que você ficou histérico. É aí que moram os erros, o desespero e a desistência.

Vamos supor que você quer entrar na faculdade: pesquise sobre os melhores programas de bolsas e descontos, veja se poderia pagar sozinho, se o seu salário é o suficiente. Precisa trocar de emprego? Veja quais são os pré-requisitos, se precisa fazer algum curso pra melhorar o currículo e por consequência, ter um salário maior e uma rotina que não brigue com seus estudos. Veja se esse curso é necessário mesmo, se não tem como aprender em casa. Mas e se for necessário? E se durar dois anos? Quanto tempo vai demorar pra você entrar na faculdade? 
Agora a pergunta mais importante: porque esse tempo importa? Você está dando um jeito de chegar lá, não está? Precisa mesmo que isso seja em duas semanas?

Não tenha pressa: você não precisa de um prazo definido para conseguir o que quer, você não será punido com uma nota baixa ou uma carteira rebaixada caso não consiga o que quer até tal dia.  Até onde sei, você não tem data marcada para morrer (espero que não), então não fique comparando sua vida com a dos outros: "fulano de tal tem a mesma idade que eu e já foi promovido, já mora sozinho, e tem até intercâmbio agendado. O que eu tô fazendo da minha vida? O que ele fez que eu não fiz ainda?". Quem nunca se pegou pensando nisso, não é mesmo? Esqueça o fulano, talvez ele já soubesse o que queria há mais tempo do que você. Talvez ele tenha recebido ajuda, ou talvez você tenha sido acomodado mesmo. Talvez você tenha se distraído com seus problemas pessoais também e esquecido de estudar, mas isso não importa mais. Fulano de tal é diferente de você, teve uma vida diferente, decepções diferentes e reagiu de um jeito diferente, o que notavelmente foi conveniente para ele. 
Foque nos seus planos, nas suas estratégias e no que você pode fazer agora. O que passou, passou, não adianta se culpar pelo que já não faz parte da sua vida. E deixe a vida do fulano para lá, você não é mais fraco ou mais imaturo por não ter conseguido a mesma coisa ainda. E se for, apenas trabalhe para que sua força e independência aumente.

Pensar no que pode dar errado não é ser pessimista, é ser prevenido: mantenha-se informado sobre tudo, e saberá a maneira certa de agir. Tome como exemplo uma entrevista de emprego: se você chegar atrasado, é um ponto a menos. Este é um erro que você pode evitar, mas não precisa ficar nervoso, achando que seu dia será cheio de imprevistos e você irá perder a vaga que tanto precisa. Evite o atraso, pronto. 

Só não esqueça de viver o presente enquanto trabalha nos seus planos para o futuro: planejamentos de cinco anos não são um problema pra quem se lembra de viver a vida enquanto não chega lá. Um pouco de organização pode ajudar a não perder o foco.

Mas antes de toda a organização, antes de todo o análise, planejamento e estrategização é preciso de:
Calma. Nada de pressa, nada de correria, nada de nervosismo.
Aprenda a pensar sem se apavorar nem se iludir, e conseguirá o que quer, seja lá o que isso for.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!