Metamorfose

13 agosto 2015


Você muda o tempo todo, não é? De roupa, de cabelo, de música... e de opinião. 
Sua auto-análise é sempre feita em silêncio: ninguém ouve, ninguém vê e ninguém sabe de nada.
O seu eu desse ano é totalmente diferente daquele eu do ano passado: você errou, assumiu e corrigiu, repetidamente, de modos variados. 

As pessoas ficam confusas com isso, volta e meia você é criticada por uma característica que nem existe mais, não é? 
Você surpreende as pessoas de vez em quando, e ri da cara de boba que elas fazem. É engraçado: elas não fazem ideia do caminho que você percorreu até aqui.

Você refletiu e foi mudando de ideia sobre algumas coisas. Você foi atrás da personalidade que queria ter, não por uma imagem ideal de si mesma, e sim para ser feliz e para conseguir o que deseja.

Às vezes a sua auto-crítica te machuca: você é dura demais consigo mesma. Sempre quis ir embora, e desde pequena, sempre quis ter asas, ser dona do próprio nariz, ser independente. Ter vida própria.
Pra isso é necessário maturidade. A maturidade que você tanto se acusa de não ter, às vezes. Você tem dificuldades em tolerar seus próprios erros e trapalhadas, porque se você não souber se virar, jamais alcançará seus objetivos. E você precisa deles, não precisa?

Com isso, você se esquece de que é um ser humano. E seres humanos erram. 
Existem pessoas mais velhas do que você sendo bem mais ignorantes, e tendo uma mente fechada. Mas você não aceita essa desculpa: isso porque existem pessoas mais novas que estão bem mais avançadas do que você, e você se culpa por isso.
Você quer ser melhor, você quer evoluir. Dificuldades pra você não podem ser motivo para desistência alguma. A demora é vergonhosa, mas a desistência é bem mais.

Não tem nada de errado em almejar o crescimento, mas a perfeição que você tanto procura não existe. É uma ilusão. 
Perdoe-se. Aprenda a se corrigir sem se machucar. Estar errado não é o pior erro que se pode cometer.
Ninguém é tão paciente, ninguém é tão prático, ninguém é tão independente. Ninguém é tão esperto e ninguém é tão experiente.
Mas todos podem aprender. Todos podem corrigir. 
Você também pode, e quer saber? Isso não precisa ser tão doloroso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!