"Que feio uma menina dessas falar palavrão"

20 agosto 2015


Eu falo de feminismo aqui com tanta frequência que nem sei como nunca falei sobre a mania que as pessoas têm de achar que as mulheres não podem falar palavrão.

Estamos no ano de 2015, século XXI. O feminismo já obteve diversos avanços: as mulheres podem usar calça, trabalhar, estudar, ler e fazer diversas coisas sem serem julgadas.
"Mas é feio uma mulher falar palavrão, Nós temos que ser damas, precisamos usar maquiagem, estar bem arrumadas, não pode ter nenhum fio de cabelo fora do lugar. Temos que ser finas e educadas, não podemos apontar o dedo do meio pra ninguém.
Esse é o papel da mulher na sociedade, não é? Temos que ser indefesas e não podemos agredir ninguém, se alguém quiser nos bater, deixe que bata. Brutalidade é coisa de homem, e mulher que xinga demais só pode ser machorra (o que é a porra de um preconceito contra as lésbicas).

Menininhas que correm com os guris, estão sempre raladas, brincam de carrinho e não querem saber de boneca? Isso aí é falta de laço, que tipo de pais elas têm, que não as ensinam a se comportar direito?"

Apenas acho que a mulher não precisa interpretar nenhum papel na sociedade, não estamos em nenhum teatro. Isso aqui é a vida real, e que cada um tenha a liberdade pra fazer o que quiser da sua, seja homem ou seja mulher. Seja com relação à planos para o futuro, ou com a personalidade da pessoa no dia a dia.

O palavrão nada mais é do que uma maneira de se expressar, seja no momento da raiva ("caralho, essa internet é uma porra!"), seja por intensidade ("Porra, mas tá calor pra caralho hoje, hein?"), ou até para elogiar alguém ("Nossa, cara, esse texto que você fez ficou muito foda").
Eu só não acho certo falar esses palavrões perto de uma criança pequena, pois a grande maioria possui diversos significados, alguns são bem obscenos e uma pessoa de 5 anos não possui idade para entender esse tipo de coisa. Por mais que os pais expliquem direitinho, o cérebro delas ainda não é desenvolvido o suficiente para entender o conceito e elas não vão apenas saber o que é e compreender certas responsabilidades. Vão fazer bagunça e as outras crianças vão repetir. Nenhuma delas terá nenhum conhecimento sobre isso. Cada coisa a seu tempo.

Em determinados trabalhos e em eventos sociais importantes também não é aconselhável, não por frescura, mas porque a ocasião exige uma linguagem formal e o palavrão é uma linguagem informal.

Agora, no dia a dia, exigir que a mulher fale tudo bonitinho e censurá-la por pronunciar um "porra", sem exigir nada do homem é escrotice! Afinal, o homem pode porque ele é macho, ele é foda, ele é o maior, ele impõe firmeza!
Foda-se o homem e sua suposta superioridade. Foda-se o homem e sua liberdade para poder ser mais raivoso de vez em quando.
Se ele pode ter toda essa liberdade de expressão, a mulher também deveria poder.

Até um (bom) tempo atrás, as mulheres não podiam nem usar uma calça sem serem duramente julgadas. A ditadura machista era tanta que elas não podiam trabalhar e só podiam usar roupas relacionadas ao vestiário considerado feminino. Na Idade Média, só os homens podiam ler e aprender, as mulheres que se atrevessem a fazer o mesmo eram queimadas vivas, por acusação de serem bruxas (pois naquela época todos acreditavam no mundo sobrenatural, e para eles, a terra não girava ao redor do sol e o centro do universo era Deus, não o "astro-rei").

Se um certo número de países evoluiu tanto, por que a mulher que fala palavrão é tão fortemente censurada? O vocabulário informal é algo tão simples e corriqueiro que chega a ser ridículo causar tanta polêmica e ter tanta dificuldade para entender algo tão comum.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!