Por fora eufemismo, por dentro hipérbole

26 novembro 2015


Por fora, seus dias são normais, a mesma rotina de sempre: trabalhar, conversar, rir, e sempre que houver um pouco de tempo, fazer algo que se goste.
Você acorda todos os dias sabendo quase tudo o que vai acontecer, e não sabe se isso é bom ou ruim. É como se, todos os dias, pouco antes de despertar, o seu organismo te programasse para lidar com seus segredos monstruosos. 
Aparentemente, tudo é calma, tranquilidade, serenidade. Apenas uma pessoa normal vivendo uma vida normal.
Talvez esse seja o problema agora: o silêncio é, na verdade, um sinônimo para o tédio que te enerva.

Enquanto isso, lá dentro: frustração, ansiedade, estresse, incertezas. Você tem planos, muitos planos, e a simples possibilidade de que eles não funcionem já te deixa incomodado (você prefere não cogitar isso: apenas continuar andando, seguindo a trilha, até que finalmente acerte o caminho e chegue onde deseja). 
Você precisa ardentemente que sua vida mude, mas não sabe se seus planos ofereceriam a mudança que você tanto almeja. 
Tantas pessoas no mundo com tantos problemas piores e você aí com essa agonia estúpida, porém, persistente.
Você passa a ter a impressão de que nada te satisfaz, tudo é fútil e insuficiente. Você sabe que é tolice achar que tudo na vida é poético e belo, digno de um livro de Shakespeare, mas tolerar a superficialidade é tão chato! 
Tantas lágrimas e gritos no passado, passando como se fosse um flash back, e tudo o que lhe sobrou agora foi a ansiedade dizendo que talvez, nada possa te aliviar.


Você bem que poderia tomar alguma atitude para reverter tudo isso, quem dera soubesse que atitude seria essa.

Um comentário:

  1. "Você precisa ardentemente que sua vida mude, mas não sabe se seus planos ofereceriam a mudança que você tanto almeja." Lindo texto, gostei em especial dessa frase. Às vezes, os nossos planos não é exatamente o que buscamos.
    Beijos

    http://mysecretworldbells.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!