Pretextos

21 novembro 2015


Você não gosta da sua vida. Claro, não significa que você não goste de viver, nem que esteja planejando algum tipo de suicídio.
Apenas não gosta de como ela está agora.
Seja por causa do que você estuda, onde mora, com quem mora ou onde trabalha, você só sabe que a situação tardará a mudar.
Você se frustra.
Acordar de manhã não é lá uma atividade muito prazerosa, considerando que você já sabe o que lhe espera. Todos os dias são iguais, e a rotina é massante.
Então, para aliviar o peso de sua cotidiana tortura, você procura pequenos prazeres em seu dia a dia.
Analisando bem, você encontra algumas amizades, pessoas legais em sua família, coisas que você gosta de fazer (embora não possa dedicar muito tempo a elas) e bons motivos para rir (são os que você procura desesperadamente).
Tudo isso faz com que seus dias sejam levemente mais suportáveis. Bem de leve.
Você suspira.
Ao mesmo tempo em que isso é o suficiente, com certeza não é o suficiente.

Então você analisa mais. Uma brecha aqui, outra brecha ali e alguns planos surgem, acompanhados de alguns motivos para manter a vida como está. Isso é bom e ruim ao mesmo tempo.
Aos poucos, algumas coisas podem mudar. Podem ficar mais práticas e mais prazerosas. Ou podem ser completamente substituídas.
Só precisa-se do tempo e da estratégia certa.
E enquanto nada muda, você terá de se contentar com suas pequenas alegrias.
Pequenas coisas que fazem com que sua vida seja menos insuportável.

Um comentário:

  1. Adorei o texto. Parabéns!!
    Beijos

    http://mysecretworldbells.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!