#Resenha | Muito mais que 5inco Minutos, Kéfera Buckmann

28 janeiro 2016


Posso não acompanhar a Kéfera desde o primeiro vídeo, mas acompanho há um tempinho. Desde 2012 ou 2013, eu acho.
Não, eu não concordo com tudo o que ela diz e confesso que já vi ela falar muita besteira, mas simplesmente não consigo mais deixar de acompanhá-la, é um vício.
A guria é engraçada, os vídeos são bem editados, com qualidade... ela arrota, peida nos vídeos, faz todo mundo rir, fala o que quer e tá cagando pro que todo mundo pensa disso. E isso encoraja muita gente (em especial as garotas) a ser mais autêntica e não terem medo de serem elas mesmas, por mais doido e esquisito que esse "verdadeiro eu" possa ser.

Sempre quis saber um pouco mais sobre ela, mas ela não quis fazer o Draw my Life porque a maioria das coisas da vida dela, segundo ela,  já haviam sido ditas nos vídeos.
Aí eu me deparei com esse:


"Ain, nossa, que perda de tempo ler livro de you tuber"
"O que você vai aprender com isso?"
"RIP literatura"
Confesso que eu também não acho que seja lá muito "cult" da parte de uma pessoa, ler um livro todo ilustradinho falando da vida de uma pessoa que mal saiu da adolescência.
Porém, eu também sou blogueira e ainda quero empurrar essa porra pra frente. Provavelmente vou ter que mudar o nome, o layout, comprar um domínio e isso pode demorar um pouco, mas vida que segue, né? 
Eu acho que, se um dia eu escrevesse um livro (e eu realmente quero fazer isso um dia), não ia querer ser subestimada pelo simples fato de ter um blog ou vlog. 
Claro que meu primeiro livro não ia ser sobre minha vida, acho que qualquer idade antes dos 30, 40 anos é precoce demais pra escrever uma biografia. Vou contar o que? Como foi a luta pra entrar na faculdade? Como foi a faculdade? Como foi minha festinha do jardim de infância? Eu ia me sentir o Justin Bieber quando lançou a biografia dele aos 18 anos (foi aos 18, né? Nem lembro). Digamos que eu ia preferir uma ficção ou até uma saga, sem muitas ilustrações e uma capa um pouquinho mais séria de preferência, senão o livro fica parecendo brochura de segunda série (desculpa).

Mas com you tubers é diferente. Os fãs querem conhecer eles melhor, querem saber coisas. Saber quem é realmente aquela pessoa que eles assistem toda semana, saber o que se passou naquele coração, naquela mente, naquela vida.
Tô sendo melosa demais, então vou falar um palavrão pra descontrair: porra.
Pronto, vamos continuar.

Pra ser sincera, eu esperava conhecer ela melhor nesse livro, porém, muitas das coisas que ela contou eram coisas que ela já havia contado nos vídeos, como a tentativa de cola com a amiguinha dela de infância e aquela vez que ela tentou achar uma depiladora de confiança em São Paulo.
Mas o livro foi muito divertido, e eu adorei ler mesmo assim.
Lembro que nos primeiros vídeos ela era totalmente contra o romantismo, falava sobre cachorros serem melhores do que pessoas e eu imaginava o que ela poderia ter passado para começar a pensar assim tão cedo.
Porque eu também comecei a pensar assim BEM cedo (com 16, 17 anos eu tava virada num demônio) e adquiri uma puta coleção de motivos pra quase não conseguir me livrar daquela intolerância. Não eram apenas relacionamentos fracassados (eu era aquela criaturinha isolada que não namorava nem pegava ninguém), era mais que isso, mas ok, não importa.
Quando eu vi como havia sido a vida amorosa dela, eu entendi um pouquinho os motivos dela. E dei risada de algumas situações (gente, desculpa, mas leiam o livro e veja o que aconteceu em dois dos términos dela... vocês vão rir também, e duvido que ela não dê risada disso até hoje).
Adorei o livro e adorei a escrita divertida e irreverente da Kéfera na hora de escrever (até porque se não fosse assim, não seria a Kéfera, né?).

Acho que já falei tudo o que tinha pra falar, mas pra finalizar, quero mostrar pra vocês o que eu escrevi na parte em que ela perguntava sobre o nosso maior segredo...

"Quando eu seguro muito pra mijar e o olho lacrimeja, eu faço uma pose depressiva no vaso e finjo que tô chorando de verdade. Imaginando que tô num filme" LISPECTOR, Amanda
Que fase, hein?
Bom, ela não pediu que fosse algo sério... eu sou cheia de grandes segredos, é difícil escolher o maior deles u.u
Só espero não sofrer bullyng por causa de uma pérola dessas (entre várias outras que eu tenho até medo de contar).
Enfim, espero que tenham gostado da minha resenha (que só pra variar é mais longa que o próprio livro). Quem aí também escreveu qualquer merda naquela parte? Contem aí nos comentários, e se não conseguiram comprar ainda, comentem o que vocês colocariam lá ;) 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!