Viva la Vida

01 março 2016



Enquanto as pessoas ao seu redor estiverem vivas, ame (e deixe bem claro o que sente), perdoe, peça perdão. Passe o máximo de tempo possível com elas. Ensine-as e permita-se aprender com elas. Debata, mas sem brigar. Discordâncias existem para que a gente aprenda a entender que nem sempre as pessoas irão passar a mão na nossa cabeça, mas isso não significa que não gostem da gente.

Enquanto as pessoas ao seu redor estiverem vivas, faça-as rir. Conte piadas, fale sobre seu dia. Brigou? Reconcilie. Todos brigamos de vez em quando, isso não é motivo para rancor. 
Conheça-as e deixe-as que te conheçam também. Fale sobre sua vida.

Enquanto as pessoas ao seu redor estiverem vivas, faça com que se sintam importantes. Faça com que os elogios sejam mais fortes do que as críticas. Não perca tanto tempo xingando, repreendendo. Deixe ela saber que você nota as qualidades dela também.

Enquanto as pessoas ao seu redor estiverem vivas, ajude, console, abrace, esteja lá. Jamais abandone uma pessoa em um momento de dificuldade. A vida não é feita apenas de momentos bons, e os ruins existem para aprendermos lições e a nos levantarmos depois de cada tombo.

Enquanto as pessoas ao seu redor estiverem vivas, faça o possível (e até o impossível), para que elas saibam que a vida delas torna a sua vida melhor.

E enquanto você estiver vivo, sorria, ame, chore, e como já diriam os Menudos, não se reprima.
Trabalhe, estude, pesquise, leia, corra atrás do conhecimento e corra atrás dos seus sonhos. Não deixe que ninguém o convença a desistir. Já reparou que eles sempre se baseiam nos seus próprios fracassos e desistências, ou nos fracassos e desistências dos outros para lhe fazer acreditar que você também não vai chegar lá? Pois saiba que eles estão errados. Você não é como eles, você é você. E você não vai parar de tentar até chegar lá.
Enquanto você estiver vivo, cumpra com suas obrigações, seja ético, seja responsável, mas nunca se esqueça da hora do recreio. Permita-se ter um tempo para si também, para ouvir uma boa música, assistir a alguma série ou filme, ver aquela novela que você tanto ama, desenhe, pinte, dance, cante, pegue aquele violão que você deixou lá no canto e toque alguma coisa. Você merece.
Enquanto você estiver vivo, seja solidário, seja o mais educado e gentil que puder ser. Deixe que os idosos, crianças e deficientes passem na sua frente na hora de subir no ônibus. Ajude aquele seu colega novo de trabalho que não sabe o que está fazendo a aprender com mais rapidez. Converse com aquele novato da escola que é tímido e até agora não conseguiu puxar assunto com ninguém. Sabe aquele tiozinho ali, que empacou com a cadeira de rodas na rua quase deserta onde você está passando? Tente ajudá-lo a desempacar!
E diante de uma ingratidão, apenas vire as costas e vá-se embora. Pois como já diria Seu Madruga, a vingança nunca é plena, mata a alma e envenena.

Enquanto você estiver vivo, viva
A vida pode parecer longa, dolorosa ou até entediante às vezes, mas ela é curta. Ontem você era uma criança de quatro anos brincando com seus primos na casa da sua avó, e, do nada, você tem vinte anos e não conseguiu entrar na faculdade ainda. Vai saber se amanhã você não vai ser a avó ou o avô?
Ninguém é imortal. Todos temos que morrer um dia, seja lá qual for a causa.
Todos deixaremos um legado quando formos embora, seja grande ou pequeno. Deixaremos que as pessoas se lembrem de nosso jeito bondoso, ou de nosso jeito sarcástico. Deixaremos que as pessoas se lembrem do bem que já fizemos a elas, das risadas que já oferecemos e de tudo o que já aprontamos, mas que acabou virando uma história engraçada de se contar.
Alguns legados são enormes, fazem o mundo entrar em rebuliço. Outros são mais pequenos, fazem com que uma pequena família e amigos se desestabilizem por alguns tempos. Mas nenhum é mais ou menos importante do que o outro. 

Enquanto você estiver vivo, faça com que sua vida valha a pena para você e para as pessoas que te cercam. Pois ela não é eterna, e um dia, as chances de iluminá-la chegarão ao fim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de me mandar pra puta que pariu, e dizer que eu sou uma escrota? Fala aí!